Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

RIO DE JANEIRO, 9 Jan (Reuters) – Os preços médios de
gasolina, etanol e diesel subiram na primeira semana do ano, nos
postos de combustíveis no Brasil, para suas máximas nominais,
segundo pesquisa publicada nesta terça-feira pela Agência
Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
O movimento ocorre na esteira da alta das cotações do
petróleo, que opera perto de máximas desde maio de 2015, e
também após o governo elevar tributos dos combustíveis
(PIS/Cofins) no fim de julho.
O preço da gasolina atingiu média de 4,151 reais por litro
nos postos do Brasil, entre 31 de dezembro e 6 de janeiro,
registrando uma nova máxima nominal (sem considerar a inflação)
em uma série história da ANP iniciada em 2013.
O valor foi 1,3 por cento superior ao registrado na semana
anterior, de 4,099 reais por litro.
O diesel, combustível mais consumido do Brasil, por sua vez,
registrou média de 3,356 reais por litro na primeira semana do
ano, alta de 0,9 por cento ante a semana anterior, que teve
média de 3,326 reais por litro.
O recorde anterior atingido pelo diesel, na série histórica
da ANP, havia sido de 3,337 reais por litro, na semana de 26 de
novembro a 2 de dezembro de 2017.
Já o etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas,
teve média de 2,946 reais por litro na semana passada –também
um recorde na série histórica, superando valores anteriores de
janeiro de 2017–, com alta de 1,2 por cento em relação a semana
anterior, quando teve média de 2,912 reais por litro.
Os preços do etanol seguem os valores da gasolina, mas
também contam neste momento com sustentação adicional do início
da entressafra de cana no centro-sul do Brasil, principal região
produtora no maior produtor e exportador global de açúcar.
A S&P Global Platts também registrou preço histórico para o
etanol hidratado, de 2.270 reais por metro cúbico na
segunda-feira, segundo cotação apurada em usinas da região de
Ribeirão Preto (SP).

PETROBRAS
Além das altas nos impostos, os valores dos combustíveis têm
sofrido impactos de movimentos da Petrobras , que
elevou em quase 8 por cento os preços da gasolina vendida nas
refinarias às distribuidoras de combustíveis ao longo de 2017 e
em mais de 9 por cento os do diesel.
Isso porque desde o fim de 2016 a petroleira estatal adotou
uma política de preços que segue a lógica do mercado
internacional, em busca de rentabilidade, tornando-se mais ágil
para repassar aos consumidores movimentos do setor global de
combustíveis.
O repasse dos reajustes da Petrobras nos preços dos
combustíveis nas refinarias às bombas, entretanto, depende de
movimentos e da estratégia de distribuidoras e de postos de
combustíveis.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

(Por Marta Nogueira; com reportagem adicional e edição de
Roberto Samora)
(([email protected]; +55 21 2223 7104; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia