Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

TÓQUIO/NOVA YORK, 6 Dez (Reuters) – A bitcoin ampliou rali
nesta quarta-feira, rompendo acima dos 13 mil dólares e
atingindo recorde, apesar de questionamentos sobre o real valor
da criptomoeda e preocupações sobre uma possível formação de
bolha.
A moeda digital ganhou impulso após o anúncio do principal
órgão regulador de derivativos dos Estados Unidos na sexta-feira
de que permitira a CME Group e a CBOE Global Markets a listarem
contratos futuros de bitcoin.
A decisão deixa portas abertas para maior regulação, mas
também para mais adesão pelo público convencional, uma vez que
futuros da bitcoin e outros derivativos facilitariam a
negociação da nova classe de ativos.
"A simples percepção de famílias ao redor do mundo de que
CME e CBOE estão dando legitimidade à bitcoin é o que realmente
está puxando o grande rali aqui", disse o diretor de estratégia
global de produto e marketing da Cambridge Royal Payments em
Toronto, Karl Schamotta.
O crescimento em mais de dez vezes do valor da bitcoin, de
menos de 1.000 dólares no início do ano, tem gerado mais
preocupações sobre regulação da moeda ao redor do mundo. Algumas
personalidades importantes como o economista vencedor do Nobel
Joseph Stiglitz têm afirmado que as criptomoedas deveriam ser
consideradas ilegais.
"Estamos em um processo de bolha e uma das características
de um mercado que passa por bolha é que não há forma de saber
quando ela vai estourar", disse Mick McCarthy, estrategista
chefe de mercado da CMC Markets, em Sydney.
A bitcoin exibia alta de 12,2 por cento às 19:51 (horário de
Brasília) na bolsa de Luxemburgo Bitstamp , cotada a
13.100 dólares. Mais cedo, a moeda alcançou o recorde de
13.127,01 dólares.
"Há muito dinheiro fluindo para bitcoin agora, a maior parte
motivada por medo de perda da oportunidade e ganância", disse
Leonhard Weese, presidente da Associação da Bitcoin em Hong
Kong.
(Por Shinichi Saoshiro e Saqib Iqbal Ahmed; reportagem
adicional de Michelle Chen)
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765))
REUTERS LM AAJ


Assuntos desta notícia

Join the Conversation