Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Saikat Chatterjee
LONDRES, 14 Mar (Reuters) – O dólar tinha pouca variação
ante uma cesta de moedas nesta quarta-feira e mantinha-se
próximo da mínima em uma semana uma vez que a súbita demissão do
secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, e
notícias de que Washington pretende impor tarifas sobre
importações chinesas reverberavam sobre os mercados cambiais.
A perspectiva de um conflito comercial global pesava sobre o
dólar e qualquer escalada da questão enfraquecerá a moeda
norte-americana significativamente. O dólar foi sustentado por
expectativas crescentes de até quatro altas dos juros nos EUA em
2018.
"A administração dos EUA caiu ainda mais no caos e a atual
fraqueza do dólar induzida por Trump pode ter efeito por algum
tempo, mas não para sempre já que as forças de fundamentos veem
à frente", disse Ulrich Leuchtmann, analista do Commerzbank.
Às 08:37 (horário de Brasília), o índice do dólar contra uma
cesta de moedas tinha ganhos de 0,09 por cento, a 89,747,
ainda próximo da mínima de um mês de 89,40.
Contra o iene, o dólar perdia 0,13 por cento, a 106,44
ienes, , tendo caído da máximo de duas semanas de
107,300 ienes.
O presidente norte-americano, Donald Trump, busca impor
tarifas sobre 60 bilhões de dólares de importações chinesas
pelos EUA e vai mirar os setores de tecnologia e
telecomunicações.
Na Europa, a moeda única atingiu a mínima do dia depois que
o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, assumiu um
tom "dovish" em seu discurso. O euro tinha queda de 0,1
por cento, a 1,2377 dólar.
O BCE precisa de mais evidências de que a inflação está
subindo em direção à sua meta, mas também está mais confiante de
que ela caminha para isso, disse Draghi, nesta quarta-feira.
((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447509))
REUTERS TH CMO


Assuntos desta notícia