Clicky

MetaTrader 728×90

Por Jemima Kelly
LONDRES, 15 Fev (Reuters) – O dólar registrava perdas ante
uma cesta de moedas nesta quinta-feira e atingiu a mínima de 15
meses ante o iene diante do aumento das preocupações de déficit
duplo nos Estados Unidos em meio aos gastos do governo e ao aos
cortes de impostos corporativos.
A moeda norte-americana chegou a saltar na quarta-feira após
dados mostrarem que a inflação nos Estados Unidos foi mais forte
que o esperado em janeiro, ampliando as expectativas de que o
Federal Reserve pode elevar a taxa de juros até quatro vezes
neste ano.
Mas rapidamente passou a cair, tendo o pior desempenho
diário em três semanas contra a cesta de moedas . O dólar
ampliava essas perdas nesta quinta-feira, com o índice chegando
à mínima de duas semanas de 88,585.
A dívida nacional dos EUA recentemente superou 20 trilhões
de dólares, enquanto o déficit fiscal de 2019 está estimado em
quase 1 trilhão de dólares, incluindo cortes tributários
financiados pelo déficit e tetos de gastos para dois anos que o
Congresso aprovocou na semana passada.
"A história que ouço com mais frequência das pessoas é o
reaparecimento dos déficits duplos", disse o chefe de estratégia
de câmbio do RBC Capital Markets Adam Cole, sobre a fraqueza
persistente do dólar. "Parecem haver preocupações sobre a
posição fiscal dos EUA e o que isso significa para a conta
corrente."
Cole disse que notícias que normalmente seriam vistas como
oportunidades de compra para o dólar, como os dados de inflação
de quarta-feira, estão tendo efeitos apenas temporariamente
positivos.
Alguns estrategistas sugeriram que outro motivo para a queda
do dólar após os dados da véspera foi que a alta dos preços ao
consumidor nos EUA foi vista como uma medida das presões
inflacionárias globais e que, assim, o crescimento mais forte
sugere um ritmo mais rápido de aperto monetário de outros bancos
centrais.
Contra o iene, do dólar chegou a cair 0,8 por cento, para
106,18 ienes, níve mais baixo desde novembro de 2016 .
Isso representa perdas de 3,8 por cento do pico do início de
fevereiro de quase 110,50 ienes.
((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7729))
REUTERS CMO CV


Assuntos desta notícia