Clicky

FGV anuncia queda na confiança da indústria de 2,3 pontos

mm TD 728

Os mercados por aqui se ressentem principalmente do ambiente político cada vez mais complicado. Agora com retaliações por parte do governo e com estratégia de Janot de fatiar as operações e introduzir a possibilidade de punição menor para políticos envolvidos com caixa 2 não oriunda de propina. Isso pode provocar maiores pressões políticas contra Temer.

Hoje mercados foram fracos durante a madrugada na Ásia, o dia começou negativo na Europa, mas já começa a virar para positivo e praticamente estável nos índices futuros do mercado americano. No Brasil, vamos seguir dependentes do noticiário político e com largo foco na continuidade do julgamento no STF. Aparentemente a JBS será mantida com Fachin e as homologações de delações validadas.

Durante a madrugada no Japão o governo melhorou suas previsões para a economia, situação que não ocorria desde dezembro último. Mas o Banco Mundial já tinha sinalizado com melhora do PIB de +0,9% para 1,6%. Na China o PBOC (BC chinês) segue sugerindo desvalorização do yuan na paridade de 6,8197 por dólar e a moeda fechou efetivamente em queda.

Na sequência dos mercados no exterior o petróleo WTI negociado em NY registrava alta de 0,47%, com o barril cotado a US$ 42,73. O euro era transacionado em queda para 1,117 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 2,15%. O ouro e a prata estavam em alta na Comex e commodities agrícolas com leve viés de queda na bolsa de Chicago.
No segmento local o governo já admite atrasos na votação da reforma da Previdência e a janela de oportunidade parece ir se fechando. O relator da LDO (diretrizes orçamentárias) disse que irá manter o déficit previsto de R$ 129 bilhões. Acrescentamos que ontem o ministro Celso de Mello fez brilhante defesa da PGR, se contrapondo a declarações de Gilmar Mendes.

Na área economia a FGV anunciou a confiança da indústria em queda de 2,3 pontos em junho para 90,0 pontos e o Bacen divulgou o relatório trimestral de inflação. O relatório foi mais suave que o previstos, mas indicadores de conjuntura (exceto inflação e externo) seguem ruins, como por exemplo a formação bruta de capital fixo (FBCF) prevista em queda de 0,6%, contra anterior de -0,3%. A economia também está com forte índice de ociosidade, mas é esperada retomada gradual da atividade. Os gastos com juros também sobem para US$ 22,5 bilhões no novo RTI (anterior em US$ 21,4 bilhões) e o crescimento do PIB de 2017 mantido em +0,5%.

O dia começando com DIs em queda nos principais vencimentos e dólar abrindo em queda de 0,15%, cotado a R$ 3,326. A Bovespa pode ter dia de recuperação com petróleo em alta no mercado internacional e melhora nas bolsas externas.

Bom dia e bons negócios.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe Home Broker Modalmais
Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado


Assuntos desta notícia