Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

TÓQUIO, 24 Nov (Reuters) – O euro atingiu a máxima de seis
semanas contra o dólar nesta sexta-feira, com os investidores
otimistas em relação à força da recuperação da zona do euro após
dados econômicos fortes nesta semana.
A moeda única acumula alta de cerca de 0,7 por cento
desde segunda-feira, a caminho da terceira semana seguida de
ganhos contra o dólar, melhor desempenho desde julho.
O euro havia começado a semana com fraqueza, pressionado
pela incerteza política na Alemanha depois que negociações para
uma coalizão falharam, mas se recuperou rapidamente com os
investidores focando no cenário de crescimento robusto para a
Europa, enquanto o dólar se enfraquecia globalmente.
A ata da última reunião de política monetária do Banco
Central Europeu, divulgada na quinta-feira, mostrou que as
autoridades concordaram de maneira geral no mês passado em
prorrogar o esquema de compra de ativos, mas a decisão de manter
em aberto a data de encerramento pareceu gerar um debate mais
intenso.
"Sem o compromisso recente do BCE de manter as compras até o
fim de setembro do próximo ano, o euro provavelmente será
negociado a níveis ainda mais fortes nessa atual conjuntura",
disse o analista de câmbio do MUFG Lee Hardman.
Às 07:52 (horário de Brasília), o euro subia 0,16 por cento,
a 1,1869 dólar.
Já o dólar atingiu a mínima de cinco semanas contra uma
cesta de moedas e recuava 0,15 por cento, a 93,08, após
feriado na quinta-feira nos Estados Unidos pelo Dia de Ação de
Graças.
O dólar recuou na quarta-feira depois da ata da última
reunião de política monetária do Federal Reserve mostrar que
algumas autoridades se preocupavam com a inflação fraca. Isso
levou a algumas dúvidas sobre as expectativas de alta dos juros
em 2018.
"Os fundos de Hedge… estão realizando lucros em suas
posições compradas em dólares", disse o estrategista-chefe de
câmbio da Daiwa Securities, Mitsuo Imaizumi. "Isso mantém o
dólar sob pressão."
(Por Jemima Kelly e Lisa Twaronite)
((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7509))
REUTERS TF CMO


Assuntos desta notícia