Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

BERLIM, 16 Abr (Reuters) – O ministro alemão para a Europa,
Michael Roth, pediu nesta segunda-feira uma nova diretriz para
apaziguar as tensões com a Rússia, engrossando um coro que
pressiona a chanceler Angela Merkel a moderar sua postura cada
vez mais dura com o Kremlin.
A chanceler conservadora apoiou o Reino Unido depois do
ataque químico contra um ex-agente duplo russo na Inglaterra no
mês passado, expulsando quatro diplomatas russos apesar da
apreensão de uma classe política temerosa de um confronto com o
vizinho gigante do leste.
Roth, membro do Partido Social-Democrata (SPD) que forma a
coalizão com os conservadores de Merkel, disse que, embora a
União Europeia precise demonstrar união perante a Rússia,
sanções deveriam ter por meta atrair Moscou para a mesa de
negociação.
"Reflexos anti-Rússia são tão perigosos quanto se manter
ingenuamente silencioso… sobre as políticas tingidas de
nacionalismo da atual liderança russa", escreveu ele no jornal
Die Welt.
Muitos países ocidentais estão pressionando por uma postura
mais assertiva contra Moscou devido ao apoio do presidente
russo, Vladimir Putin, ao presidente sírio, Bashar al-Assad,
acusado de usar armas químicas durante a guerra civil de seu
país.
Como tem muitos negócios e laços de energia com a Rússia, a
Alemanha tem sido cautelosa em suas relações com Moscou, mas
Merkel endureceu o tom nos quatro anos transcorridos desde a
anexação russa da península ucraniana da Crimeia.
Roth, cujo partido desempenha um papel minoritário na
coalizão de governo de Merkel, ecoou comentários do presidente
alemão e seu correligionário, Frank-Walter Steinmeier, segundo o
qual "coisas demais estão em jogo" para Berlim retratar a Rússia
como uma inimiga.
(Por Markus Wacket)
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia

Join the Conversation