Clicky

MetaTrader 728×90

(Atualiza com mais informações)
SÃO PAULO, 13 Jun (Reuters) – As ações da BRF
acentuaram as perdas nesta quarta-feira, tocando nova mínima
intradia em oito anos, abaixo de 20 reais, conforme persistem
receios com o futuro da gigante de alimentos, após um catálogo
de adversidades, que derrubaram os preços das ações em mais de
45 por cento apenas este ano.

– Por volta de 12:26, os papéis da BRF caíam 4,83 por cento,
a 19,88 reais, liderando as perdas do Ibovespa , que
cedia 0,67 por cento. Na mínima, tocaram 19,82 reais, menor
cotação intradia desde 25 de maio de 2010.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

– No ano, as ações contabilizam perda de 45,6 por cento,
afetadas por eventos como a operação Carne Fraca e a suspensão
das exportações de frango para a União Europeia, mas também
resultados fracos e problemas de gestão. Os papéis vêm de quedas
de 24 por cento, 10,5 por cento e 11,25 por cento em 2017, 2016
e 2015, respectivamente.

– Expectativas relacionadas a mudanças no seu comando,
particularmente a possibilidade de o atual presidente do
conselho de administração, Pedro Parente, também assumir a
presidência-executiva da companhia deram um impulso momentâneo
aos papéis, mas o ímpeto não durou sem um anúncio imediato.

– A notícia negativa mais recente foi o anúncio da
companhia que vai desativar uma linha de produção de carne de
peru em Mineiros (GO), em razão dos impactos de restrições à
exportação.

– "Temos feito o possível e o impossível para não fecharmos
ativos, mas o fato é que nossos mercados para frangos e peru têm
sido muito afetados", disse na terça-feira o vice-presidente da
empresa, Jorge Lima, em comissão no Senado, segundo a Agência
Senado.

– Na véspera, o Credit Suisse cortou o preço-alvo das ações
da BRF para 18 reais ante 28 reais anteriormente e manteve a
recomendação 'underperform', citando os últimos resultados da
companhia, a alta nos preços dos grãos, a desvalorização do real
e novo custo de capital.

(Por Paula Arend Laier, edição de Flavia Bohone e Raquel
Stenzel)
(([email protected]; +55 11 5644 7764; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation