Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

(Repete texto publicado na noite de quinta-feira, sem
alterações)
SÃO PAULO, 14 Set (Reuters) – A Embraer está
considerando produzir um novo avião de passageiros turboélice,
disse a empresa nesta quinta-feira, potencialmente voltando a um
segmento dominado pela franco-italiana ATR e a canadense
Bombardier .
Terceira maior fabricante de aviões do mundo, a Embraer
disse que recentemente consultou companhias aéreas sobre
"potencial oportunidades no mercado de turboélices", mas
enfatizou que qualquer decisão ainda estava longe.
O movimento representa uma inversão acentuada para a empresa
que deixou de produzir turboélices na década de 1990 para se
concentrar em jatos regionais – segmento que agora lidera
globalmente, gerando mais de metade de sua receita.
"É importante enfatizar que a Embraer está longe de qualquer
decisão de lançar um novo programa de turboélice e o processo
está em a fase de avaliação", afirmou a empresa por e-mail.
"É um passo inicial, mas fundamental, para estabelecer um
plano comercial para uma moderna plataforma de turboélices."
A Embraer assumiu uma posição similar no início da década,
mas desistiu. A empresa lançará a próxima geração da linha
comercial E-Jet nos próximos anos, liberando recursos de
pesquisa e desenvolvimento para uma nova família de produtos.
Entre o Q400 da Bombardier e o ATR, líder do mercado,
de propriedade da Airbus e da Leonardo SpA ,
há cerca de 100 turboélices de aeronaves feitas a cada ano.
O chefe de aviação comercial da Embraer, John Slattery,
disse ao Aviation Club em Londres que os turboélices de
passageiros existentes têm "décadas de idade", criando espaço
para um participante de uma nova estrutura e motores, segundo o
Wall Street Journal, que deu a notícia nesta quinta-feira.
O presidente-executivo da ATR, Christian Scherer, disse a
jornalistas em Paris na véspera, haver espaço limitado no
mercado para um terceiro fabricante ocidental de turboélices.
(Por Brad Haynes; reportagem adicional de Tim Hepher)
((Tradução Redação São Paulo; + 55 11 5644-7712))
REUTERS AAP ES


Assuntos desta notícia