Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

SÃO PAULO, 17 Jan (Reuters) – O principal índice da bolsa
paulista operava no azul nesta quarta-feira, recuperando os 80
mil pontos, conforme segue o viés favorável amparado no forte
fluxo de investimento estrangeiro, em sessão que tinha ainda um
noticiário corporativo mais movimentado.
A alta exibida pelo dólar ante o real desde a abertura dos
negócios, em sintonia com a trajetória da moeda no exterior,
perdia força neste começo de tarde, com fluxo de ingresso de
recursos. Já as taxas dos contratos futuros de juros operavam
com pequenas variações, em sintonia com o comportamento do dólar
ante o real.
Os principais índices acionários dos Estados Unidos abriram
em alta, liderados por ganhos em ações de empresas de
tecnologia, incluindo Microsoft e IBM.

Veja como estavam os principais mercados financeiros pouco
depois das 12:50 desta quarta-feira:

MetaTrader 300×250

CÂMBIO
A alta exibida pelo dólar ante o real desde a abertura dos
negócios, em sintonia com a trajetória da moeda no exterior,
perdia força neste começo de tarde, com fluxo de ingresso de
recursos.
"Temos visto ingresso de recursos neste começo de ano e,
contra fluxo, não há argumento", disse um profissional para
justificar a mudança de rota da moeda neste começo de tarde.
Nos dois últimos pregões, a moeda havia passado por correção
e subido 0,71 por cento. Ainda assim, mantinha desvalorização de
2,58 por cento no acumulado do ano até a véspera.
"O mercado testou o nível de 3,20 reais e resistiu. Acho que
deve oscilar entre esse patamar e 3,25 reais até que haja alguma
definição no noticiário", avaliou mais cedo o gerente de
tesouraria do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.
O mercado continuava sob a expectativa de acontecimentos na
esfera política no país. Um deles é a votação da reforma da
Previdência, marcada para o dia 19 de fevereiro na Câmara dos
Deputados, e os esforços do governo do presidente Michel Temer
em garantir apoio político ao tema, bastante polêmico sobretudo
num ano eleitoral.
Mas as dificuldades continuavam. Na véspera, o presidente da
Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que não será
fácil votar a reforma até o prazo previsto.
"Acho que o mercado precificou a não-votação. Mesmo assim,
se não for votado, pode trazer algum desconforto, mas de forma
pontual", avaliou Pellegrini.
No exterior, o dólar operava em alta ante uma cesta de
moedas e sobre o euro, depois de a moeda única ter
renovado mais cedo nova máxima de três anos e meio com parte dos
investidores reforçando as apostas de valorização ainda que
algumas preocupações de autoridades nesta semana tenham afetado
o otimismo.
Por outro lado, o dólar cedia ante divisas de países
emergentes com os pesos chileno e mexicano , mas
subia ante a lira turca .

. Dólar/Real : +0,02%, a 3,2295 reais na venda;
. Euro/Dólar : -0,32%, a 1,222 dólar;
. Dólar/Cesta de moedas : +0,28%

BOVESPA
O principal índice da bolsa paulista operava no azul nesta
quarta-feira, recuperando os 80 mil pontos, conforme segue o
viés favorável amparado no forte fluxo de investimento
estrangeiro, em sessão que tinha ainda um noticiário corporativo
mais movimentado.
A sessão é marcada ainda por vencimento de opções sobre o
Ibovespa, o que pode adicionar alguma volatilidade aos negócios.
Na véspera, o índice rompeu o patamar dos 80 mil pontos pela
primeira vez, mas não o sustentou até o fechamento, com
investidores encontrando oportunidades para ajustes.
A perspectiva de recuperação econômica no Brasil, em meio a
juros baixos, mantém o viés favorável para o mercado acionário,
que segue alvo ainda de forte fluxo de investimento estrangeiro.
Este movimento também vem ajudando a segurar as tentativas de
ajuste no índice. Apenas até o dia 12 de janeiro, o saldo
externo na B3 estava positivo no ano em 3,584 bilhões de reais.

Embora o fluxo venha garantindo o viés mais favorável, o
cenário político volta ao radar, principalmente após o
presidente Michel Temer determinar o afastamento de quatro dos
12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal, por 15 dias.

"As dificuldades e o noticiário que envolve reforma
previdenciária, assim como novo desconforto do governo na
questão dos vice-presidentes da Caixa deixam o investidor local
mais desconfiado do médio prazo", escreveram analistas da
corretora.

– SABESP ON avançava 3,5 por cento, liderando a
ponta positiva do Ibovespa, diante da perspectiva em torno da
revisão tarifária. A Arsesp divulgou na noite anterior nota
técnica preliminar referente à etapa final da segunda revisão
tarifária, abrindo o período de consulta pública até 5 de
fevereiro. Segundo analistas do BTG Pactual, embora ainda não
traga números, a nota tem destaques como o reconhecimento do
regulador de que parte dos royalties que a Sabesp paga
atualmente para alguns municípios será eventualmente repassada
para tarifas.

– PETROBRAS PN subia 1,7 por cento e PETROBRAS ON
ganhava 1,3 por cento, em meio às expectativas de
definição sobre a revisão do contrato de cessão onerosa, após o
governo ter criado uma comissão interministerial que tem prazo
de 60 dias para negociar os termos com a estatal.

– VALE ON avançava 1,9 por cento, com uma visão
favorável em torno da desalavancagem da empresa. Em evento com
investidores nesta sessão, o diretor de relações com
investidores da mineradora disse que as prioridades da empresa
são reduzir a dívida líquida de 10 bilhões de dólares e pagar
dividendos maiores a partir de 2018.

– MRV ON ganhava 1,5 por cento, após divulgar sua
prévia operacional com alta de 41 por cento nos lançamentos em
2017.

. Ibovespa : +0,59%, a 80.304 pontos;
. Volume financeiro: R$2,7 bi.
. Índice dos principais ADRs brasileiros : +0,27%, a
24.406 pontos.
Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em
Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

BOLSAS DOS EUA
Os principais índices acionários dos Estados Unidos abriram
em alta nesta quarta-feira, liderados por ganhos em ações de
empresas de tecnologia, incluindo Microsoft e IBM.

. Dow Jones : +0,4%, a 25.897 pontos;
. Standard & Poor's 500 : +0,19%, a 2.781 pontos;
. Nasdaq : +0,22%, a 7.239 pontos;

BOLSAS DA EUROPA
O índice FTSEurofirst 300 tinha queda de 0,21 por
cento, a 1.562 pontos.
Em LONDRES, o índice Financial Times recuava 0,44
por cento, a 7.721 pontos.
Em FRANKFURT, o índice DAX caía 0,68 por cento, a
13.155 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 perdia 0,39 por cento, a
5.492 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha desvalorização de
0,23 por cento, a 23.442 pontos.
Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava baixa de 0,56
por cento, a 10.461 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizava-se 0,03 por
cento, a 5.611 pontos.

JUROS
As taxas dos contratos futuros de juros de longo prazo
operavam com pequenas elevações nesta quarta-feira, em sintonia
com o comportamento do dólar ante o real e em meio a
expectativas de acontecimentos no cenário político nacional.
"O tom menos otimista de Maia, aliado a uma agenda mais
fraca por aqui, colocam um viés menos favorável para os ativos
locais", apontou a corretora Guide em relatório, referindo-se a
declarações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
(DEM-RJ), na véspera.
Nos Estados Unidos, Maia afirmou que não será fácil votar a
reforma da Previdência até 19 de fevereiro e que, apesar da
prioridade que é dada à reforma, isso é feito sem "nenhum tipo
de otimismo".
"O mercado está cada vez mais cético com essa reforma",
acrescentou o chefe da mesa de renda fixa de uma corretora
local, destacando que os investidores se voltam cada vez para a
disputa eleitoral.
Nessa esfera, o destaque fica para o julgamento do
ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no próximo dia 24, em
ação sobre o tríplex no Guarujá que pode deixá-lo inelegível se
for condenado em segunda instância pelo Tribunal Regional
Federal da 4ª Região.
O trecho mais curto da curva de juros operava praticamente
estável, sem mudanças nas apostas para as próximas decisões de
política monetária do Banco Central
A curva de juros mantinha apostas amplamente majoritárias de
corte de 0,25 ponto percentual da Selic em fevereiro, com o
restante vendo manutenção da taxa, segundo dados da Reuters.

Para março, as apostas de nova redução de 0,25 ponto
indicavam 24 por cento de chances, segundo operadores, igual à
véspera. Hoje, a Selic está em 7 por cento, mínima histórica.

mês ticker último (%) fechamento variação
anterior (%) (p.p.)
APR8 6,753 6,757 -0,004
JAN9 6,895 6,9 -0,005
JAN0 8,04 8,05 -0,01
JAN21 8,9 8,89 0,01
JAN23 9,67 9,67 0

DÍVIDA

. Treasuries de 10 anos : rendimento em alta a
2,5555%, ante 2,544% no dia anterior;
. Global 26 : rendimento em alta a 4,2698%,
ante 4,245% no dia anterior.

PETRÓLEO
Os preços do petróleo caíam após ganhos iniciais nesta
quarta-feira, mas continuavam sendo sustentados por uma oferta
apertada e forte demanda global.
Fundamentos mais apertados levaram a uma alta de cerca de 13
por cento dos preços de referência em relação aos valores no
início de dezembro, ajudados pelas restrições de produção da
Opep e da Rússia, bem como pelo crescimento da demanda saudável.
"Atualmente não há motivos para acreditar que houve uma
mudança significativa no sentimento fundamental e que a
liquidação é, até agora, vista como uma correção técnica", disse
Tamas Varga, analista da PVM Oil Associates em Londres.
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e a Rússia
estão travando a produção desde janeiro do ano passado e os
cortes deverão durar até 2018.
A restrição da oferta coincide com demanda saudável e o
crescimento econômico sólido e, como resultado, o mercado se
apertou, contribuindo para a alta de mais de 50 por cento dos
preços desde junho de 2017.

. Nymex – FEV/17 : -0,22%, a 63,59 dólares por barril;
. ICE Futures Europe – Brent MAR/18 : -0,1%, a 69,08
dólares por barril.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de
notícias da Reuters pelo código PAN/SA )

(Edição de)
(([email protected]; 55 11 5644-7727; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia