Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

SÃO PAULO, 13 Nov (Reuters) – O dólar tinha leve alta nesta
segunda-feira e caminhava para o patamar de 3,30 reais, seguindo
a trajetória da moeda norte-americana no exterior e com os
investidores atentos às negociações do governo para tentar obter
apoio para votar uma reforma da Previdência mais enxuta.
A Previdência também pesava sobre o Ibovespa, que operava
sem tendência única, em sessão de agenda econômica esvaziada. Já
as taxas dos contratos futuros de juros de prazo mais longo
reduziram as altas vistas mais cedo, puxadas pelo desempenho do
dólar frente ao real, e exibiam leves oscilações, diante do
volume de negócios mais enxuto.
Veja como estavam os principais mercados financeiros pouco
depois das 13h desta segunda-feira:

CÂMBIO
O dólar tinha leve alta nesta segunda-feira e caminhava para
o patamar de 3,30 reais, seguindo a trajetória da moeda
norte-americana no exterior e com os investidores atentos às
negociações do governo para tentar obter apoio para votar uma
reforma da Previdência mais enxuta.
"O mercado está em compasso de espera… mais passivo de
movimentações internacionais", afirmou o operador de câmbio da
corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado.
O destaque ficava para a Grã-Bretanha, onde o cenário
político pesava nos mercados, fazendo a libra recuar ante
o dólar e afastar-se da mínima de oito dias atingida na
sexta-feira.
Um grupo de 40 parlamentares britânicos do Partido
Conservador, da primeira-ministra Theresa May, concordou em
assinar uma carta de não confiança contra a premiê, relatou o
jornal Sunday Times. Restariam apenas oito parlamentares para
desencadear uma votação pela liderança, através da qual May pode
perder o cargo.
O dólar subia ante uma cesta de moedas e também
divisas de países emergentes, como o peso mexicano , em
meio a sinais de que a reforma tributária do presidente
norte-americano, Donald Trump, pode sofrer atrasos.
Internamente, o foco seguia nas negociações do governo para
costurar um acordo político, que pode envolver uma reforma
ministerial, e garantir a votação da reforma da Previdência
ainda neste ano numa versão mais enxuta.
O Congresso Nacional, no entanto, deve trabalhar pouco nesta
semana, marcada pelo feriado da Proclamação da República no dia
15 e em que não deve não haver votações importantes.
O calendário apertado para votações até o fim do ano ainda
contempla outras pautas que são muito importantes para o
governo, sobretudo em relação ao Orçamento de 2018, o que pode
deixar o processo de convencimento do governo junto a
parlamentares ainda mais sensível.
. Dólar/Real : +0,27%, a 3,2890 reais na venda;
. Euro/Dólar : -0,02%, a 1,1661 dólar;
. Dólar/Cesta de moedas : +0,14%

MetaTrader 300×250

BOVESPA
O principal índice acionário da bolsa paulista rondava a
estabilidade nesta segunda-feira, em sessão de agenda econômica
esvaziada e com investidores ainda cautelosos em relação ao
andamento da reforma da Previdência.
O noticiário mais esvaziado deixa os investidores menos
propensos a assumir posições mais firmes, favorecendo a falta de
rumo claro para o mercado. Na máxima até o momento, o índice
subiu 0,35 por cento, enquanto perdeu 0,51 por cento na mínima.
No front local, investidores seguem monitorando as
articulações do governo do presidente Michel Temer que busca
emplacar sua reforma da Previdência, ainda que em uma versão
mais enxuta, neste ano.
No entanto, o calendário apertado, com feriado esta semana
que atrasa ainda mais o início das discussões, eleva os receios
em relação à capacidade do governo de conseguir angariar votos
suficientes e colocar o texto em votação.
"Com feriado na próxima quarta-feira, os políticos em
Brasília ganharam um feriadão estendido por toda a semana. Assim
esqueça notícias sobre reforma da Previdência nos próximos dias,
o que tende a criar expectativas sobre o processo", escreveram
os analistas da corretora Magliano, em nota a clientes.

– COSAN ON subia 1,5 por cento, entre as maiores
altas do índice, após a empresa reportar seus dados para o
terceiro trimestre com números que, segundo analistas do Credit
Suisse, superaram as estimativas. O lucro líquido da empresa de
infraestrutura e energia somou 499,7 milhões de reais no
terceiro trimestre, aumento de 53,4 por cento na comparação com
o mesmo período do ano passado.

– B3 ON tinha alta de 1,7 por cento, depois de
reportar resultado do terceiro trimestre, com lucro de 445,27
milhões de reais, excluindo efeitos considerados não
recorrentes, o que representou um recuo ano a ano de 26,8 por
cento. Para analistas do BTG Pactual, os resultados da B3 foram,
de maneira geral, positivos, com a equipe destacando o potencial
de longo prazo do papel, que tende a se beneficiar da
recuperação do país nos próximos anos.

– VALE ON subia 1,8 por cento, em sessão de
ganhos para os contratos futuros do minério de ferro na China.

– PETROBRAS PN caía 0,4 por cento e PETROBRAS ON
perdia 0,3 por cento, em sessão sem rumo claro para
os preços do petróleo no mercado internacional.

– RENOVA ENERGIA UNIT , que não faz parte do
Ibovespa, caía 9,5 por cento, após a canadense Brookfield
apresentar uma proposta vinculante para aquisição da empresa por
6 reais por unit, sujeito a um valor adicional de 1 real por
unit caso a geradora renovável tenha qualquer ajuste de preço de
venda do complexo eólico Alto Sertão II. O valor ficou abaixo do
preço de fechamento no pregão de sexta-feira, de 7,63 reais.

. Ibovespa : +0,11%, a 72.247 pontos;
. Volume financeiro: R$2,3 bi.
. Índice dos principais ADRs brasileiros : -0,23%, a
21.707 pontos.
Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em
Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

BOLSAS DOS EUA
Os principais índices acionários dos Estados Unidos abriram
em queda nesta segunda-feira, em meio às crescentes incertezas
em relação a um acordo para a reforma tributária nos EUA.
. Dow Jones : -0,01%, a 23.419 pontos;
. Standard & Poor's 500 : -0,08%, a 2.580 pontos;
. Nasdaq : -0,13%, a 6.741 pontos;

BOLSAS DA EUROPA
O índice FTSEurofirst 300 tinha queda de 0,65 por
cento, a 1.518 pontos.
Em LONDRES, o índice Financial Times recuava 0,07
por cento, a 7.427 pontos.
Em FRANKFURT, o índice DAX caía 0,61 por cento, a
13.047 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 perdia 0,94 por cento, a
5.330 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha desvalorização de
0,69 por cento, a 22.405 pontos.
Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava baixa de 0,87
por cento, a 10.005 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizava-se 0,94 por
cento, a 5.251 pontos.

JUROS
As taxas dos contratos futuros de juros de prazo mais longo
reduziram as altas vistas mais cedo, puxadas pelo desempenho do
dólar frente ao real, e exibiam leves oscilações nesta
segunda-feira, diante do volume de negócios mais enxuto.
Os DIs mais curtos mantinham os movimentos mais contidos,
com a agenda doméstica esvaziada em meio às negociações do
governo sobre a votação da reforma da Previdência ainda neste
ano.
"Uma possível alteração ministerial… será o sinal verde
para que a reforma da Previdência, ainda que desidratada, seja
aprovada ainda este mês em primeiro turno na Câmara (dos
Deputados)", destacou a SulAmérica Investimentos em relatório.
O governo vem trabalhando para costurar um acordo para
garantir apoio e aprovar a reforma e, para isso, tem sido
pressionado para fazer uma reforma ministerial diante da ala
insatisfeita com o PSDB que, apesar de ter votado rachado para
barrar a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer,
ainda ocupa ministérios na Esplanada.
A situação política de Temer é ainda mais sensível diante de
outras importantes pautas que precisam do aval do Congresso o
mais rápido possível e estão relacionadas ao Orçamento de 2018.

O avanço do dólar ante o real, em sintonia com o exterior,
influenciou mais forte a curva de juros longos. Os investidores
lá fora estão preocupados com a reforma tributária do presidente
dos Estados Unidos, Donald Trump, em meio a notícias de que
possa sofrer atrasos.
O rendimento do contrato com vencimento em janeiro de 2021
, um dos mais líquidos, atingiu 9,47 por cento na
máxima desta sessão, com alta de 0,06 ponto percentual sobre o
pregão passado. (Veja tabela)
A curva a termo precificava nesta sessão cerca de 70 por
cento de chances de redução de 0,50 ponto percentual da Selic em
dezembro, com o restante indicando corte de 0,25 ponto, segundo
dados da Reuters.
Os DIs mantinham, segundo operadores, apostas marginais de
corte de 0,25 ponto percentual em fevereiro, na primeira reunião
do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC em 2018.
Atualmente, a Selic está em 7,50 por cento ao ano, após dois
cortes de 0,25 ponto, seguidos de dois de 0,75 ponto, quatro de
1 ponto e mais um de 0,75 ponto.

mês ticker último (%) fechamento variação
anterior (%) (p.p.)
JAN8 7,168 7,177 -0,009
JAN9 7,25 7,29 -0,04
JAN21 9,35 9,41 -0,06
JAN23 10,13 10,18 -0,05

DÍVIDA
. Treasuries de 10 anos : rendimento em queda a
2,3859%, ante 2,4% no dia anterior;
. Global 26 : rendimento em queda a 4,4844%,
ante 4,519% no dia anterior.

PETRÓLEO
Os preços do petróleo trabalhavam perto da estabilidade
nesta segunda-feira, pressionados pelos sinais de aumento de
produção nos Estados Unidos, apesar do aumento da tensão no
Oriente Médio.
Os operadores disseram que os preços eram apoiados pelos
cortes de produção liderados pela Organização de Países
Exportadores de Petróleo (Opep) e pela Rússia, que contribuíram
para uma redução significativa do excesso de oferta que
pressiona os mercados desde 2014.
Do lado da oferta, as tensões no Oriente Médio aumentaram a
perspectiva de interrupções, disseram os operadores, além da
incerteza sobre se o forte terremoto que atingiu o Irã e o
Iraque no domingo afetou a produção de petróleo da região.
Mas a alta dos contratos futuros dos Estados Unidos para 60
dólares o barril na semana passada levou a um aumento na
perfuração no país. Os produtores norte-americanos adicionaram
nove plataformas de petróleo na semana encerrada em 10 de
novembro, o maior salto desde junho, elevando o número total
para 738, informou a empresa de serviços de energia Baker Hughes
na sexta-feira.
. Nymex – DEZ/17 : +0,62%, a 57,09 dólares por barril;
. ICE Futures Europe – Brent JAN/18 : +0,16%, a 63,62
dólares por barril.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de
notícias da Reuters pelo código PAN/SA )

(Edição de Patrícia Duarte)
(([email protected]; 55 11 5644-7727; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation