Clicky

MetaTrader 728×90

Por Claudia Violante e Paula Arend Laier
SÃO PAULO, 7 Mai (Reuters) – O dólar avançava nesta
segunda-feira, novamente se aproximando do patamar de 3,55
reais, acompanhando o movimento no exterior, em meio a temores
de que os juros possam subir mais do que o esperado nos EUA. As
taxas dos contratos futuros de juros de prazo mais longo subiam,
seguindo a direção no câmbio, enquanto a bolsa brasileira
registrava ganhos, guiada pelas ações da Petrobras e avanço em
Wall Street.
Nos Estados Unidos, os pregões avançavam com os preços do
petróleo atingindo 70 dólares por barril pela primeira vez desde
novembro de 2014, enquanto as empresas de tecnologia subiam
lideradas pelo segundo dia de ganhos da Apple.
Veja como estavam os principais mercados financeiros pouco
depois das 12:15 desta segunda-feira:

CÂMBIO
O dólar operava em alta nesta segunda-feira, novamente se
aproximando do patamar de 3,55 reais, acompanhando o movimento
no mercado externo em meio a temores de que os juros possam
subir mais do que o esperado nos Estados Unidos.
"O dólar segue o mercado externo e a perspectiva é que lá
fora a moeda norte-americana continue forte. O noticiário não
foi suficiente para acalmar", afirmou o diretor de operações da
corretora Mirae, Pablo Spyer, referindo-se à decisão do Federal
Reserve, banco central dos Estados Unidos, sobre política
monetária e dados mais fracos sobre o mercado de trabalho
norte-americano, ambos na semana passada.

MetaTrader 300×250

Os mercados globais continuavam temerosos que o Fed possa
elevar mais os juros diante de sinais de atividade econômica
mais forte e inflação. Taxas elevadas têm potencial para atrair
para a maior economia do mundo recursos hoje aplicados em outros
mercados financeiros, como o brasileiro.
No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas e
já havia batido o nível mais alto deste ano, com investidores
apostando que o aumento da taxa de juros dos Estados Unidos
elevaria a moeda norte-americana.
O dólar também subia ante divisas de países emergentes e
exportadores de commodities, como o peso mexicano e rand
sul-africano .
Como pano de fundo, os investidores seguiam de olho no
noticiário político local, a poucos meses das eleições
presidenciais deste ano.
O BC vendeu pelo terceiro dia a oferta integral de até 8.900
mil contratos em swaps cambiais tradicionais, equivalentes à
venda futura de dólares, rolando 1,335 bilhão de dólares do
total de 5,650 bilhões de dólares que vence em junho.

Se mantiver e vender esse volume diário até o final do mês,
o BC terá rolado integralmente os contratos que vencem no mês
que vem e terá colocado o equivalente a 2,8 bilhões de dólares
adicionais.
. Dólar/Real : +0,59%, a 3,5449 reais na venda;
. Euro/Dólar : -0,28%, a 1,1924 dólar;
. Dólar/Cesta de moedas : +0,19%

BOVESPA
A bolsa brasileira começava a semana no azul, beneficiada
pelo quadro externo relativamente favorável, guiada pela ações
da Petrobras, enquanto o noticiário corporativo tinha efeito
misto, com Sabesp recuando mais de 4 por cento após anúncio
sobre mudança no comando da empresa paulista de saneamento.
Na visão do analista Vitor Suzaki, da Lerosa Investimentos,
a segunda-feira começou com impulso positivo a emergentes, com
alta de commodities, mas ele pondera que a valorização do dólar
no exterior limitava o apetite a ativos de risco. "Mas se
Nova York ganhar força, o Brasil pode acabar acompanhando."
Ele citou ainda como outro freio para o avanço no pregão
local a divulgação de pesquisa Focus, com nova redução no
cenário para crescimento econômico este ano.
Diante de recorrentes sinais de dificuldades da economia em
imprimir um ritmo sustentado de crescimento, os economistas
consultados no levantamento do Banco Central reduziram a conta
para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 a 2,70
por cento, de 2,75 por cento antes.

– PETROBRAS PN e PETROBRAS ON
avançavam 2,7 e 4 por cento, respectivamente, recuperando-se de
perdas na sexta-feira, tendo como pano de fundo a alta do
petróleo no exterior e expectativa para o balanço
do primeiro trimestre na terça-feira.

– MRV e CYRELA subiam 4 e 2,9 por
cento, respectivamente, liderando as altas do Ibovespa, após o
Credit Suisse elevar a recomendação dos papéis para 'neutra' e
'outperform', respectivamente, em amplo relatório sobre o setor
imobiliário .

– SABESP caía 4 por cento, tendo no radar
indicação do governo paulista para Karla Bertocco Trindade
assumir o cargo de diretora-presidente, em substituição Jerson
Kelman. Para o Itaú BBA, a mudança não deve pesar no processo de
revisão tarifária da companhia.

– VIA VAREJO UNIT subia 3 por cento, em pregão
de recuperação, após três sessões consecutivas de perdas,
período em que acumulou declínio de mais de 10 por cento.

– BRADESPAR PN recuava 3,6 por cento, tendo no
radar notícia sobre decisão de processo da Elétron contra
Bradespar e Litel referente a ações da Vale . Segundo
informação do blog do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo
no fim de semana, foi homologado pela Justiça laudo pericial que
fixa uma indenização de 4 bilhões de reais a ser paga à Elétron.
Em comunicado, a Bradespar disse que a homologação da perícia
será objeto de recurso na Justiça.

– BB SEGURIDADE cedia 1,5 por cento, em sessão
marcada por divulgação do resultado do primeiro trimestre da
companhia, quando o lucro líquido ajustado alcançou 907,4
milhões de reais, queda de 8,6 por cento em relação ao mesmo
período do ano anterior.
. Ibovespa : +0,51%, a 83.543 pontos;
. Volume financeiro: R$2,9 bi.
. Índice dos principais ADRs brasileiros : -0,2%, a
23.285 pontos.
. Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

. Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

BOLSAS DOS EUA
Os mercados acionários dos Estados Unidos avançavam nesta
segunda-feira, com os preços do petróleo atingindo 70 dólares
por barril pela primeira vez desde novembro de 2014, enquanto as
empresas de tecnologia subiam lideradas pelo segundo dia de
ganhos da Apple.
O índice de energia do S&P subia conforme o petróleo
dos EUA era impulsionado pelo aprofundamento da crise
econômica na Venezuela e pela iminente decisão dos Estados
Unidos sobre sanções ao Irã.
A Apple tinha alta, ainda refletindo notícias de
que Warren Buffett, da Berkshire Hathaway , aumentou sua
participação na fabricante de iPhones.
As ações da AthenaHealth saltavam depois que o
fundo de hedge Elliott Management fez uma oferta em dinheiro que
valorizaria a empresa de tecnologia da informação da área de
saúde em cerca de 6,5 bilhões de dólares.
As empresas dos EUA têm tido desempenho forte no primeiro
trimestre, com quase 80 por cento das 400 empresas do S&P 500
que divulgaram resultado até agora superando as estimativas de
lucro, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.
Isso fica bem acima da média de longo prazo de 64 por cento
e da média 75 por cento dos últimos quatro trimestres.
. Dow Jones : +0,79%, a 24.455 pontos;
. Standard & Poor's 500 : +0,58%, a 2.678 pontos;
. Nasdaq : +0,92%, a 7.275 pontos;

BOLSAS DA EUROPA
O índice FTSEurofirst 300 tinha alta de 0,61 por
cento, a 1.527 pontos.
Em LONDRES, o índice Financial Times nao operou por
feriado.
Em FRANKFURT, o índice DAX subia 1,06 por cento, a
12.954 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 ganhava 0,23 por cento, a
5.528 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha valorização de
0,84 por cento, a 24.539 pontos.
Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava alta de 0,32
por cento, a 10.136 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 valorizava-se 0,74 por
cento, a 5.528 pontos.

JUROS
As taxas dos contratos futuros de juros de prazo mais longo
subiam nesta segunda-feira, sintonizados ao movimento de
valorização do dólar ante o real em meio a temores de juros mais
altos nos Estados Unidos.
Os DIs mais curtos oscilavam timidamente, depois que a
pesquisa semanal Focus trouxe redução nas projeções para o
crescimento da economia neste ano, o que ajudava a sustentar as
apostas para mais um corte da Selic.
"O mercado opera com volume mais fraco", afirmou o
profissional da mesa de renda fixa de um banco nacional ao citar
a agenda esvaziada neste início de semana.
O dólar subia e chegava perto do patamar de 3,55 reais nesta
sessão, depois de acumular alta de pouco mais de 3 por cento nas
suas semanas anteriores. Dólar mais forte tem potencial para
pressionar a inflação e, assim, os juros futuros.
No curto prazo, no entanto, economistas ouvidos pela Reuters
avaliaram que a retomada incipiente da economia brasileira
impede o contágio da valorização do dólar na inflação.

No trecho mais curto, os DIs tinham leves variações nesta
sessão, com o mercado mantendo em cerca de 65 por cento as
apostas de que o Banco Central vai reduzir novamente a Selic na
próxima semana em 0,25 ponto percentual. O restante indicava
manutenção da taxa, segundo operadores.
Para a reunião de junho do Comitê de Política Monetária
(Copom) do BC, os DIs precificavam 18 por cento de apostas de
outro corte de 0,25 ponto da Selic, ante 13 por cento na
sexta-feira, com o restante indicando manutenção.
Em março, o BC cortou a taxa básica de juros em 0,25 ponto
percentual, para o piso histórico de 6,50 por cento ao ano.
Na quinta-feira será divulgado o IPCA de abril. Economistas
ouvidos pela Reuters calculam alta de 0,28 por cento ante março,
e alta de 2,82 por cento no acumulado em 12 meses, abaixo do
piso da meta de inflação do governo.
Se confirmados, esses números podem mostrar espaço para o BC
cortar novamente a Selic agora, em meio ao cenário de fraca
atividade econômica.
A pesquisa Focus do BC, que ouve semanalmente uma centena de
economistas, mostrou que a projeção para o crescimento do
Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 caiu a 2,70 por cento, sobre
2,75 por cento antes.
Para a Selic, seguia a percepção de que o corte de 0,25
ponto percentual agora será o último do atual ciclo de
afrouxamento.
mês ticker último fechamento variação
(%) anterior (%) (p.p.)
JUL8 6,235 6,245 -0,01
JAN9 6,285 6,275 0,01
JAN0 7,1 7,06 0,04
JAN21 8,08 8,04 0,04
JAN23 9,26 9,23 0,03

DÍVIDA
. Treasuries de 10 anos : rendimento em alta a
2,9553%, ante 2,944% no dia anterior;
. Global 27 : rendimento em alta a 4,876%, ante
4,866% no dia anterior.

PETRÓLEO
Os preços do petróleo avançavam nesta segunda-feira para
perto dos níveis mais altos desde o final de 2014, impulsionados
pelo aprofundamento da crise econômica na Venezuela e pela
iminente decisão dos Estados Unidos sobre sanções ao Irã.
. Nymex – JUN/17 : +1,1%, a 70,49 dólares por barril;
. ICE Futures Europe – Brent JUL/18 : +1,51%, a 76
dólares por barril.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de
notícias da Reuters pelo código PAN/SA )

(Edição de Patrícia Duarte)
(([email protected]; +55 11 5644 7764; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia