Clicky

MetaTrader 728×90

SÃO PAULO, 17 Abr (Reuters) – O dólar firmou queda e voltava
para o patamar de 3,40 reais nesta terça-feira, acompanhando o
movimento da moeda norte-americana no exterior em meio ao
cenário de maior busca por risco, mas com investidores ainda
bastante atentos ao cenário político local.
O Ibovespa subia, buscando uma recuperação após fechar
abaixo dos 83 mil pontos na véspera. Já as taxas dos contratos
futuros de juros operavam com pequenas baixas, principalmente no
trecho mais longo, favorecidas por dados positivos sobre a
economia chinesa e redução dos temores sobre a situação na
Síria.
Os mercados acionários dos Estados Unidos avançavam, uma vez
que os fortes números da Netflix e de empresas de saúde
impulsionavam o otimismo em relação ao que deve ser a temporada
de resultados mais forte em sete anos.

Veja como estavam os principais mercados financeiros pouco
depois das 12:30 desta terça-feira:

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

CÂMBIO
O dólar firmou queda e voltava para o patamar de 3,40 reais
nesta terça-feira, acompanhando o movimento da moeda
norte-americana no exterior em meio ao cenário de maior busca
por risco, mas com os investidores ainda bastante atentos ao
cenário político local.
"Com o noticiário local tranquilo, por enquanto, o exterior
prevaleceu", comentou o operador de câmbio de uma corretora
local.
A maior busca pelo risco voltava à cena externa depois que
dados mostraram que a economia da China cresceu 6,8 por cento no
primeiro trimestre, ligeiramente acima do esperado.
O dólar subia ante a cesta de moedas , mas recuava
frente a maioria das moedas de países emergentes, como o peso
mexicano .
Internamente, os investidores seguiam bastante atentos ao
cenário político, diante das perspectivas incertas para as
eleições presidenciais.
"A recuperação lenta da economia do país, somada às
incertezas eleitorais continuam trazendo instabilidade nos
mercados", disse o operador da Advanced Corretora, Alessandro
Faganello.
"Por ora, a eleição se mostra imprevisível, com candidatos
reformistas não empolgando nas pesquisas e abalando a confiança
dos agentes e investidores."
O Banco Central vendeu todo o lote de 3,4 mil swaps cambiais
tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando
1,190 bilhão de dólares do total de 2,565 bilhões de dólares que
vence em maio.
Se mantiver esse volume diário e vendê-lo integralmente, o
BC rolará o valor total dos swaps que vencem no próximo mês.

. Dólar/Real : -0,34%, a 3,3975 reais na venda;
. Euro/Dólar : -0,28%, a 1,2343 dólar;
. Dólar/Cesta de moedas : +0,22%

BOVESPA
O principal índice da bolsa paulista tinha alta nesta
terça-feira, buscando uma recuperação após fechar abaixo dos 83
mil pontos na véspera, mas com a cautela pela cena política
ainda no radar.
As incertezas com a eleição presidencial deste ano têm
motivado o modo de cautela nos negócios, evitando que o Ibovespa
volte às máximas vistas no início do ano.
"2018 verá uma das eleições presidenciais mais incertas
desde que o Brasil se tornou uma democracia novamente", escreveu
a equipe de estratégia do BTG Pactual, em relatório a clientes.
No exterior, o viés positivo de Wall Street também ajudava a
sustentar a tentativa de recuperação no mercado local.

– USIMINAS PNA avançava 4 por cento, liderando a
ponta positiva do índice, após a empresa anunciar a reativação
do alto forno 1, que estava desligado desde 2015, para atender
ao crescimento de demanda.

– CSN ON tinha alta de 2 por cento, tendo no
radar a notícia do jornal O Estado de S.Paulo dizendo que a
siderúrgica brasileira está em negociações avançadas para venda
de unidade nos Estados Unidos.

– VALE ON subia 2,8 por cento, na contramão dos
contratos futuros do minério de ferro na China, que fecharam em
baixa.

– EMBRAER ON ganhava 1,8 por cento, após o Brasil
conseguir o apoio da Organização Mundial do Comércio (OMC) para
levar adiante suas queixas contra o Canadá em uma disputa sobre
subsídios para os jatos CSeries da Bombardier ,
principal concorrente da fabricante brasileira de aviões.

– PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiam 2
por cento e 1,8 por cento, respectivamente, recuperando parte
das perdas da véspera, embora os preços do petróleo no mercado
internacional não tivessem viés muito definido.

– BRF ON caía 2,7 cento e liderava a ponta
negativa do índice, diante da expectativa de confirmação de que
plantas da empresa foram descredenciadas pela União Europeia.

– ELETROPAULO ON , que não faz parte do Ibovespa,
disparava 15,9 por cento, após a Neonergia oferecer pagar 25,51
reais por ação para adquirir uma fatia da Eletropaulo.

– AZUL PN , que também não compõe o Ibovespa,
avançava 2 por cento. No radar estava notícia da Reuters, de que
a empresa aérea negocia com a Amazon a entrega de
mercadorias no Brasil.

. Ibovespa : +1,21%, a 83.867 pontos;
. Volume financeiro: R$3,35 bi.
. Índice dos principais ADRs brasileiros : +1,56%, a
24.111 pontos.
Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em
Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

BOLSAS DOS EUA
Os mercados acionários dos Estados Unidos avançavam nesta
terça-feira uma vez que os fortes números da Netflix e de
empresas de saúde impulsionavam o otimismo em relação ao que
deve ser a temporada de resultados mais forte em sete anos.
As ações da Netflix subiam 8 por cento depois que a
pioneira de transmissão de vídeo por streaming superou as
estimativas trimestrais de assinantes, ajudada por uma explosão
de conteúdo original.
"Os relatórios foram muito bons e devem ajudar o mercado em
geral", disse Robert Pavlik, estrategista-chefe de investimentos
da SlateStone Wealth.
A UnitedHealth tinha alta de 3 por cento depois que
a maior seguradora de saúde dos Estados Unidos aumentou sua
previsão de lucros e divulgou resultados que superaram as
estimativas de Wall Street.
Analistas projetam que os lucros das empresas do S& p 500
subirão 18,6 por cento no primeiro trimestre, maior aumento em
sete anos, de acordo com dados da Thomson Reuters.
A temporada de lucros ajudou a tirar o foco das preocupações
geopolíticas e comerciais, que agitaram os mercados nos últimos
meses.
. Dow Jones : +1,01%, a 24.820 pontos;
. Standard & Poor's 500 : +1,011636%, a 2.704 pontos;
. Nasdaq : +1,56%, a 7.267 pontos;

BOLSAS DA EUROPA
O índice FTSEurofirst 300 fechou em alta de 0,91
por cento, a 1.493 pontos.
Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,54
por cento, a 7.237 pontos.
Em FRANKFURT, o índice DA subiu 1,64 por cento, a
12.594 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,92 por cento, a
5.361 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de
1,45 por cento, a 23.666 pontos.
Em MADRID, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,50
por cento, a 9.815 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,25 por
cento, a 5.467 pontos.

JUROS
As taxas dos contratos futuros de juros operavam com
pequenas baixas nesta terça-feira, sobretudo no trecho mais
longo, favorecidas por dados positivos sobre a economia chinesa
e redução dos temores sobre a situação na Síria, o que colocava
em segundo plano a cautela com a cena política local.
"Mesmo com o cenário local mais turvo devido às eleições, se
mantido o melhor humor global a risco nos próximos dias,
esperaria alguma recuperação dos ativos do Brasil", afirmou o
gestor e sócio da corretora Flagra, Dana Ka, em relatório.
NO exterior, a busca pelo risco estava mais acentuada nesta
sessão após a divulgação que a economia da China cresceu 6,8 por
cento no primeiro trimestre, acima da previsão de alta de 6,7
por cento, impulsionada pela demanda do consumidor, exportações
e investimento imobiliário.
O movimento também era favorecido pelas menores perspectivas
de retaliação russa aos ataques dos Estados Unidos, França e
Reino Unido a alvos sírios no final de semana.
Internamente, novo dado fraco de inflação continuou dando
sustentação às apostas de que o Banco Central vai continuar
cortando a Selim. O IPC-Fipe caiu 0,01 por cento na segunda
quadrassem de abril.
Com isso, a curva a termo mantinha nesta sessão cerca de 70
por cento de chances de corte de 0,25 ponto percentual na Selim
em maio, com o restante indicando manutenção, segundo
operadores.
Para a reunião de junho do Comitê de Política Monetária
(Copo), os Dias petrificavam cerca de 30 por cento de apostas de
outro corte de 0,25 ponto da Selim, igual à véspera, com o
restante em manutenção.
Em março, o BC cortou a taxa básica de juros em 0,25 ponto
percentual, para o piso histórico de 6,50 por cento ao ano.
Os investidores também seguiam de olho no cenário político,
em meio ao ambiente ainda bastante incerto para as eleições de
outubro.

Mês ticker último (%) fechamento variação
anterior (%) (p.p.)
JUN8 6,329 6,335 -0,006
JAN9 6,23 6,23 0
JAN0 6,93 6,92 0,01
JAN21 7,93 7,96 -0,03
JAN23 9,12 9,14 -0,02

DÍVIDA
Os rendimentos de curto prazo dos Treasuries dos Estados
Unidos subiam nesta terça-feira, conduzindo a curva de
rendimentos para o seu nível mais plano em mais de uma década,
uma vez que dados econômicos de março dão suporte a novas altas
da taxa de juros por parte do Federal Reserve, banco central dos
Estados Unidos, em 2018.
Às 12:15 (horário de Brasília), os Treasuries de 10 anos
rendiam 2,832 por cento, contra 2,832 por cento na
terça-feira. Os títulos de dois anos rendiam 2,394
por cento, ante 2,377 na sessão anterior.
A diferença entre os rendimentos dos títulos de dois e de 10
anos se achatou para 44 pontos base nesta
terça-feira. A diferença entre os rendimentos de cinco e 30 anos
chegou a 33,20 pontos base , em seu maior nível
desde 2008.
"Estamos encerrando o trimestre em bases mais sólidas do que
havíamos visto em janeiro e fevereiro", disse John Herrmann,
diretor de estratégias de juros dos EUA na MUFG Securities.
"Mesmo com o mau tempo em março, os dados realmente se
fortaleceram, apoiando a visão de que o Fed provavelmente terá
que aumentar as taxas em junho", disse Herrmann.
A estabilidade do crescimento econômico no curto prazo, no
entanto, pode ser ameaçada pelas políticas comerciais
protecionistas do presidente dos EUA, Donald Trump. Os Estados
Unidos e a China ameaçaram-se mutuamente com dezenas de bilhões
de dólares em tarifas nas últimas semanas, alimentando
preocupações sobre uma guerra comercial que ameaça as cadeias
produtivas globais e planos de investimento.

. Treasuries de 10 anos : rendimento em queda a
2,8304%, ante 2,832% no dia anterior;
. Global 27 : rendimento em queda a 4,5941%,
ante 4,609% no dia anterior.

PETRÓLEO
Os preços do petróleo operavam sem viés firme nesta
terça-feira, conforme investidores realizavam lucros após o rali
da semana passada e, por outro lado, com os preços ganhando
suporte do aumento nas preocupações em relação à potencial
interrupção no fornecimento da commodity, principalmente no
Oriente Médio.

. Nymex – MAI/18 : -0,32%, a 66,01 dólares por barril;
. ICE Futures Europe – Brent JUN/18 : -0,29%, a 71,21
dólares por barril.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de
notícias da Reuters pelo código PAN/SA )

(Edição de Iuri Dantas)
(([email protected]; 55 11 5644-7727; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation