Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Claudia Violante e Paula Arend Laier
SÃO PAULO, 15 Fev (Reuters) – O cenário externo favorável
nesta quinta-feira sustentava o Ibovespa acima dos 84 mil pontos
e também guiou o declínio do dólar ante o real mais cedo, o que
atraiu compradores, zerando a queda da moeda norte-americana. As
taxas dos contratos de DI também tinham um dia de baixa, em
sessão na qual a ata da última reunião do Copom reforçou a
chance de o atual ciclo de afrouxamento monetário se encerrar no
mês que vem.
Wall Street abriu com os principais índices acionários em
alta, com o avanço das ações da Cisco impulsionando o Dow Jones,
enquanto investidores reduziam os temores sobre a inflação dos
Estados Unidos.

Veja como estavam os principais mercados financeiros pouco
depois das 12h50 desta quinta-feira:

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

CÂMBIO
O dólar reduziu a queda vista mais cedo e passou a ser
negociado com leves variações nesta quinta-feira, depois de ir
ao patamar de 3,20 reais e atrair fluxo de compra.
Operadores, no entanto, diziam que esse movimento de
correção local era contido pela cena externa, onde o ambiente
mais otimista levava o dólar a cair frente a outras divisas.
O movimento do dólar ocorria depois de despencar 2,27 por
cento na véspera e atingir 3,1989 reais na mínima dessa sessão.

"O dólar ficou barato e trouxe importadores e investidores
ao mercado", afirmou o gestor de uma corretora nacional.
Entre o final da semana passada e a mínima desse pregão, a
moeda norte-americana perdeu 10 centavos de real, variação
considerável e que acaba atraindo compradores.
A cena externa estava mais tranquila depois das fortes
correções recentes com temores de que a inflação estava ganhando
muito fôlego nos Estados Unidos, o que poderia levar o Federal
Reserve, banco central do país, a elevar os juros mais
rapidamente, algo que poderia afetar o fluxo global de capitais.
A moeda norte-americana cedia ante uma cesta de moedas
e divisas de países emergentes, como os pesos chileno e
mexicano e a lira turca .
"O rali global parece ter retomado sua trajetória altista,
consolidando a leitura de que a forte volatilidade… foi mais
uma correção e acomodação do mercado do que a iminência de algo
mais preocupante", trouxe a corretora H.Commcor em nota.
Pesquisa Reuters junto a economistas mostrou que a
probabilidade de mais de três altas de juros na maior economia
do mundo neste ano aumentou, apesar de ainda ser minoritária.

O Banco Central brasileiro vendeu integralmente a oferta de
até 9.500 contratos de swap cambial tradicional –equivalentes à
venda futura de dólares– para rolagem do vencimento de março.
Desta forma, já rolou 2,375 bilhões de dólares do total de 6,154
bilhões de dólares que vencem no mês que vem.
Mantido esse volume diário até o final do mês e vendendo os
lotes todos, rolará integralmente os swaps que vencem agora.
. Dólar/Real : -0,01%, a 3,2271 reais na venda;
. Euro/Dólar : +0,29%, a 1,2484 dólar;
. Dólar/Cesta de moedas : -0,45%

BOVESPA
O principal índice de ações da B3 engatava a segunda sessão
consecutiva de altas nesta quinta-feira, mais uma vez
beneficiado pelo ambiente benigno no mercado acionário global,
com o avanço nas ações da mineradora Vale entre os
principais suportes.
No exterior, o norte-americano S&P 500 caminhava para
o quinto pregão seguido de alta após abrir no azul.
Alguns analistas já citam que começa a ganhar força uma
leitura de que o cenário de inflação mais forte nos EUA é
representaria tração maior daquela economia, sem necessariamente
penalizar as bolsas.
A equipe da corretora Ágora chama a atenção, contudo, para o
efeito limitador da liquidez global do feriado do Ano Novo Lunar
na China que fechará os mercados naquele país até o dia 21. Tal
liquidez tem beneficiado bolsas, inclusive a brasileira.

– PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiam
0,7 e 1 por cento, respectivamente, apesar da queda do petróleo
. Três fontes afirmaram à Reuters que a estatal
definiu prazo até o fim de março para receber propostas
vinculantes para uma participação controladora na rede de
gasodutos da Transportadora Associada de Gás (TAG).

– VALE avançava 2 por cento, ainda embalada pela
valorização neste mês dos preços do minério de ferro à vista na
China .

– BRADESCO PN subia 1 por cento e ITAÚ UNIBANCO
PN ganhava 0,6 por cento, beneficiados pelo humor
benigno na bolsa como um todo e endossando a alta do Ibovespa.
BANCO DO BRASIL tinha acréscimo de 1 por cento e
SANTANDER UNIT valorizava-se 1,75 por cento.

– CEMIG tinha acréscimo de mais de 4 por cento.
Analistas do Santander avaliaram que dados preliminares
divulgados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na
véspera sobre a base de ativos do braço de distribuição da
companhia (Cemig-D)foram melhores do que o esperado.

– MAGAZINE LUIZA subia 4 por cento, no segundo
pregão de recuperação, após acumular até a última sexta-feira
perda de 12,6 por cento em fevereiro.

– JBS cedia 0,8 por cento, entre as poucas quedas
do Ibovespa, tendo no radar resultado da controlada Pilgrim's
Pride nos EUA, com lucro antes de juros, impostos,
depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de 241 milhões de
dólares e margem Ebitda de 8,8 por cento. .
. Ibovespa : +1,17%, a 84.518 pontos;
. Volume financeiro: R$3,8 bi;
. Índice dos principais ADRs brasileiros : +0,68%, a
25.891 pontos.
. Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

. Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

BOLSAS DOS EUA
Wall Street abriu com os principais índices acionários em
alta, com o avanço das ações da Cisco impulsionando o Dow Jones,
enquanto investidores reduziam os temores sobre a inflação dos
Estados Unidos.
. Dow Jones : +0,88%, a 25.113 pontos;
. Standard & Poor's 500 : +0,62%, a 2.715 pontos;
. Nasdaq : +0,87%, a 7.206 pontos;

BOLSAS DA EUROPA
A recuperação dos mercados acionários europeus ganhou força
nesta quinta-feira depois que os investidores ignoraram a
aceleração da inflação nos Estados Unidos, voltando suas
atenções para resultados corporativos fortes como o da maior
empresa aeroespacial da região, a Airbus.
O índice FTSEurofirst 300 tinha alta de 0,62 por
cento, a 1.478 pontos.
Em LONDRES, o índice Financial Times avançava 0,45
por cento, a 7.246 pontos.
Em FRANKFURT, o índice DAX subia 0,35 por cento, a
12.382 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 ganhava 1,34 por cento, a
5.234 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha valorização de
0,55 por cento, a 22.556 pontos.
Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava alta de 0,33
por cento, a 97.718 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 valorizava-se 0,92 por
cento, a 5.470 pontos.

JUROS
As taxas da maioria dos contratos futuros de juros recuavam
nesta quinta-feira, acompanhando o recuo do dólar ante o real e
após a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco
Central reforçar que o atual ciclo de afrouxamento monetário
deve se encerrar no mês que vem.
"O BC está mais confiante tanto na recuperação da atividade
doméstica quanto da internacional… Essa recuperação externa
mais vigorosa é um dos pontos de risco para o BC", afirmou o
economista-sênior do Banco Haitong, Flávio Serrano.
Segundo a ata, a piora no cenário internacional e a retomada
mais consistente da atividade são fatores que contribuem para o
fim do ciclo de queda da taxa básica de juros, e repetiu que a
porta não está totalmente fechada para nova redução no próximo
mês, a depender de mudanças na evolução do cenário básico e do
balanço de riscos.
Na semana passada, o BC desacelerou o passo e cortou a
Selic em 0,25 ponto percentual, à nova mínima recorde de 6,75
por cento ao ano, e sinalizou o fim do ciclo de afrouxamento na
Selic devido à melhor recuperação da atividade econômica no
país.
Assim, a curva a termo de juros seguia precificando cerca de
30 por cento de chances de corte da Selic em março, próxima
reunião do Copom, com o restante indicando manutenção, segundo
operadores. Era o mesmo cenário da véspera.
O mercado também continuava de olho na reforma da
Previdência e a falta de apoio político para aprová-la no
Congresso Nacional até o fim deste mês, como quer o governo.
"Sem reformas, o BC para de cortar juros", trouxe a gestora
Infinity em comentário sobre a ata do Copom.
Nesta sessão, o dólar operava em baixa e mais perto de 3,20
reais, em sintonia com o cenário externo, o que tende a retirar
pressão inflacionária.

mês ticker último (%) fechamento variação
anterior (%) (p.p.)
APR8 6,618 6,622 -0,004
JAN9 6,655 6,69 -0,035
JAN0 7,82 7,89 -0,07
JAN21 8,71 8,76 -0,05
JAN23 9,52 9,54 -0,02

DÍVIDA
. Treasuries de 10 anos : rendimento em queda a
2,9004%, ante 2,913% no dia anterior;
. Global 27 : rendimento em queda a 4,7856%,
ante 4,801% no dia anterior.

PETRÓLEO
Os preços do petróleo recuavam nesta quinta-feira, com dados
recordes de produção nos Estados Unidos e estoques crescentes da
commodity prevalecendo sobre o dólar mais fraco e comentários da
Arábia Saudita de que a Opep e outros produtores estavam
comprometidos com o acordo de reduzir oferta.
. Nymex – MAR/17 : -0,13%, a 60,52 dólares por barril;
. ICE Futures Europe – Brent ABR/18 : -0,5%, a 64,04
dólares por barril.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de
notícias da Reuters pelo código PAN/SA )

(Edição de)
(([email protected]; 55 11 5644-7727; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation