Clicky

MetaTrader 728×90

Por Paula Arend Laier
SÃO PAULO, 14 Fev (Reuters) – O tom positivo prevalecia no
mercado brasileiro nesta quarta-feira, volta do Carnaval,
embalado pelo quadro favorável no exterior. O dólar recuava mais
de 1 por cento ante o real, endossando o alívio nas taxas dos
contratos futuros de juros, enquanto o Ibovespa subia pouco mais
de 2 por cento.
Dados de inflação nos Estados Unidos mais fortes do que o
esperado azedaram momentaneamente o humor no exterior mas, em
Wall Street, o S&P 500 já operava no azul, enquanto o petróleo
também ensaiava melhora após recuar mais cedo.
Veja como estavam os principais mercados financeiros pouco
depois das 14:10 desta quarta-feira:

CÂMBIO
O dólar caía mais de 1 por cento ante o real nesta
quarta-feira acompanhando a cena externa e numa sessão que terá
apenas metade da duração e será marcada pelo baixo volume de
negócios após as folgas do Carnaval.
"Hoje é um dia atípico, com baixo volume de negócios",
afirmou o operador da corretora Advanced Alessandro Faganello,
citando o cenário externo como o guia dos investidores locais.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Ainda perdurava a preocupação de que o Federal Reserve,
banco central norte-americano, possa elevar os juros mais
rapidamente do que o esperado, o que tende a afetar o fluxo de
capitais globalmente.
Pela manhã, foi divulgado que a inflação ao consumidor nos
Estados Unidos avançou mais do que o esperado em janeiro, mas
que as vendas no varejo na maior economia do mundo surpreendeu e
caiu no mês passado.
Com isso, o dólar recuava frente a uma cesta de moedas
e outras divisas de países emergentes, como o peso
chileno .
Os juros futuros nos Estados Unidos continuavam precificando
quase 90 por cento de chances de o Fed elevar os juros em março,
próximo encontro do banco central, e cerca de 20 por cento de
que elevará a taxa quatro vezes neste ano. A própria autoridade
monetária prevê três altas.
Juros mais altos nos EUA tendem a atrair recursos aplicados
em outras praças financeiras, como o brasileira. Recentemente,
os mercados globais –sobretudo os acionários– viveram forte
aversão ao risco por temores de que o Fed elevaria mais os
juros.
Internamente, o mercado mantinha sua atenção em torno dos
esforços do governo do presidente Michel Temer para aprovar a
reforma da Previdência neste mês.
O Banco Central brasileiro não fará leilão de swaps cambiais
tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, nesta
sessão. Mas anunciou que continuará a rolagem dos contratos que
vencem em março, no total de 6,154 bilhões de dólares, no dia
seguinte, ofertando novamente até 9,5 mil swaps.
. Dólar/Real : -1,22%, a 3,2622 reais na venda;
. Euro/Dólar : +0,36%, a 1,2395 dólar;
. Dólar/Cesta de moedas : -0,39%

BOVESPA
O principal índice de ações da B3 avançava nesta
quarta-feira, na volta do feriado do Carnaval, seguindo o tom
positivo no exterior e com algumas ações ajustando-se ao
movimento de seus ADRs nos últimos dois dias, quando não houve
negociação no pregão brasileiro.
A sessão mais curta desta Quarta-feira de Cinzas também era
marcada pelo vencimento dos contratos de opções sobre o Ibovespa
e de contrato futuro do índice .
Nos exterior, o mercado ameaçou azedar após a divulgação de
dados de inflação ao consumidor nos Estados Unidos mais fortes
do que o esperado, que adicionaram preocupações sobre alta mais
rápida do que o esperado nas taxas de juros norte-americanas.
Mas, nas bolsas, a pressão negativa já arrefecia diante de dados
fracos nas vendas de varejo da maior economia do mundo.
O Departamento do Trabalho dos EUA informou que o índice de
preços ao consumidor subiu 0,5 por cento no mês passado.
Economistas projetavam alta de 0,3 por cento; em dezembro, a
alta havia sido de 0,2 por cento.
Em Wall Street, o S&P 500 caiu 0,5 por cento na
mínima até o momento, mas retomou o terreno positivo já visto no
começo da semana quando a B3 não operou e registrava acréscimo.
Na Europa, após fraquejar momentaneamente, o FTSEurofirst 300
ganhava 1 por cento.

– PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiam
1,6 e 0,7 por cento, respectivamente, em meio a ajustes ADRs
(recibo de ação negociado nos Estados Unidos) da companhia na
segunda e terça-feira e com o petróleo buscando
melhorar no mercado externo após abertura mais negativa nesta
sessão.

– VALE tinha acréscimo de 4,4 por cento, também
com ajustes ao comportamento de seus ADRs em Nova York no
começo da semana e ainda beneficiada pela alta dos preços do
minério de ferro à vista na China

– CSN avançava 5 por cento, capitaneando os
ganhos entre siderúrgigas listadas no Ibovespa. USIMINAS PNA
ganhava 3,8 por cento e GERDAU PN subia
3,8 por cento.

– ITAÚ UNIBANCO PN apreciava-se 3 por cento,
também influenciando a direção do Ibovespa, com o setor bancário
como um todo no azul. BRADESCO PN subia 1,2 por
cento, BANCO DO BRASIL ganhava 1,6 por cento e
SANTANDER BRASIL valorizava-se 2 por cento.

– CCR perdia 0,8 por cento, uma das poucas quedas
do Ibovespa.
. Ibovespa : +2,29%, a 82.750 pontos;
. Volume financeiro: R$2,76 bi;
. Índice dos principais ADRs brasileiros : +0,55%, a
25.070 pontos.
. Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

. Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

BOLSAS DOS EUA
Os índices acionários dos Estados Unidos recuperavam-se
nesta quarta-feira, após perdas maiores no começo da sessão,
marcada por dados de inflação mais fortes do que o esperado, que
disseminaram temores de um aumento mais rápido das taxas de
juros, mas também inesperada queda nas vendas no varejo em
janeiro, que levantaram preocupação sobre o crescimento
econômico.
. Dow Jones : -0,02%, a 24.636 pontos;
. Standard & Poor's 500 : +0,28%, a 2.670 pontos;
. Nasdaq : +0,76%, a 7.066 pontos;

BOLSAS DA EUROPA
Os principais índices acionários europeus subiam nesta
quarta-feira, sustentados por resultados fortes e dados da
economia da Alemanha, tendo ainda no radar dados de inflação nos
Estados Unidos.
O índice FTSEurofirst 300 tinha alta de 0,94 por
cento, a 1.467 pontos.
Em LONDRES, o índice Financial Times avançava 0,73
por cento, a 7.220 pontos.
Em FRANKFURT, o índice DAX subia 1,17 por cento, a
12.338 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 ganhava 1,15 por cento, a
5.167 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha valorização de
1,77 por cento, a 22.424 pontos.
Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava alta de 0,40
por cento, a 96.689 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 valorizava-se 0,93 por
cento, a 5.415 pontos.

JUROS
As taxas dos contratos futuros de juros recuavam nesta
quarta-feira, seguindo a queda do dólar frente ao real e a cena
externa, numa sessão de baixo volume e que será pela metade na
volta da folga do Carnaval, que manteve os mercados fechados por
dois dias.
"Na segunda e terça-feiras, (o mercado) foi muito bom lá
fora, então o local aqui precisa ajustar", afirmou o operador de
uma corretora local. Nestes dois dias, por exemplo, os mercados
acionários nos Estados Unidos fecharam em alta.
Recentemente, os mercados globais viveram dias de forte
aversão ao risco diante dos temores de que o Federal Reserve,
banco central norte-americano, possa elevar os juros mais
rapidamente do que o esperado diante de sinais de mais inflação.
Pela manhã, foi divulgado que a inflação ao consumidor nos
Estados Unidos avançou mais do que o esperado em janeiro, mas
que o varejo na maior economia do mundo surpreendeu e caiu no
mês passado.
Assim, os juros futuros nos Estados Unidos continuavam
precificando quase 90 por cento de chances de o Fed elevar os
juros em março, próximo encontro do banco central, e cerca de 20
por cento de que elevará a taxa 4 vezes neste ano. A própria
autoridade monetária prevê três altas.
O dólar caía mais de 1 por cento sobre o real,
movimento que tende a tirar pressão inflacionária e também
ajudava as taxas dos DIs a caírem nesta sessão.
Os investidores também continuarão de olho na cena interna,
sobretudo com a publicação da ata do Comitê de Política
Monetária (Copom) do Banco Central na manhã seguinte, e esforços
do governo para aprovar a reforma da Previdência no Congresso
até o final deste mês.
Na semana passada, o BC cortou a Selic para o piso histórico
de 6,75 por cento ao ano e sinalizou que o ciclo de afrouxamento
monetário deve acabar no mês seguinte, mas ressalvou que
mudanças na evolução do cenário e do balanço de riscos poderia
levar a uma redução adicional.
O BC divulgará a ata do Copom nesta quinta-feira, às 8:00, e
o mercado vai se debruçar em busca de maiores informações sobre
a condução da política monetária.
Pesquisa Focus do BC, que ouve uma centena de economistas
toda a semana, mostrou que as projeções são de manutenção da
Selic neste ano, inclusive dentro do Top 5, grupo que mais
acerta as previsões.
mês ticker último fechamento variação
(%) anterior (%) (p.p.)
APR8 6,626 6,625 0,001
JAN9 6,69 6,725 -0,035
JAN0 7,91 7,98 -0,07
JAN21 8,81 8,9 -0,09
JAN23 9,58 9,68 -0,1

DÍVIDA
Os rendimentos dos Treasuries dos Estados Unidos subiam
nesta quarta-feira depois da divulgação de que os preços no
consumidor no país avançaram mais do que o esperado no mês
passado, com o núcleo da inflação registrando o maior aumento em
um ano.
O relatório pode consolidar as expectativas de alta dos
juros em março, quando acontece a próxima reunião do Federal
Reserve, banco central norte-americano.
O índice de preços ao consumidor subiu 0,5 por cento no mês
passado, com as famílias pagando mais pela gasolina, aluguéis e
saúde. Em dezembro, a alta havia sido de 0,2 por cento.
Excluindo os voláteis componentes de alimentos e energia, o
índice de preços ao consumidor subiu 0,3 por cento, ritmo mais
forte desde janeiro de 2017 e ante 0,2 por cento em dezembro. Na
comparação anual, o núcleo da inflação permaneceu em 1,8 por
cento em janeiro, devido a efeitos de calendário menos
favoráveis.
. Treasuries de 10 anos : rendimento em alta a
2,8785%, ante 2,84% no dia anterior;
. Global 27 : rendimento em alta a 4,8196%, ante
4,798% no dia anterior.

PETRÓLEO
Os preços do petróleo ensaiavam melhora nesta quarta-feira,
após operarem em queda mais cedo, pressionados pela ampla
oferta, incluindo alta nos estoques dos Estados Unidos e aumento
dos fluxos no mercado físico. A expectativa de queda na produção
saudita, crescimento econômico global e dólar enfraquecido
corroboravam a recuperação.
. Nymex – MAR/17 : -0,2%, a 59,07 dólares por barril;
. ICE Futures Europe – Brent ABR/18 : +0,03%, a 62,74
dólares por barril.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de
notícias da Reuters pelo código PAN/SA )

(Edição de Patrícia Duarte)
(([email protected]; 55 11 5644-7727; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia