Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Lawrence White
LONDRES, 11 Jun (Reuters) – O HSBC vai investir entre 15
bilhões e 17 bilhões de dólares nos próximos três anos em áreas
incluindo tecnologia e China, conforme o banco migra de uma
estratégia de corte de custos para crescimento, disse nesta
segunda-feira o novo presidente-executivo, John Flint.
As metas de rentabilidade e dividendos, no entanto, têm
poucas mudanças dentro da nova estratégia.
Em uma primeira declaração pública de sua estratégia à
frente do maior banco da Europa em valor de mercado, Flint
definiu ambição de aumentar o retorno sobre o patrimônio
tangível de 6,8 para 11 por cento, em linha com as metas
anteriores.
A atualização marca uma mudança na atitude do HSBC após a
crise de 2008, migrando de corte de custos e reestruturação para
investimento e crescimento, mas analistas disseram que o foco na
China e em tecnologia são temas conhecidos.
As ações do HSBC caíam cerca de 0,2 por cento em meio a
alguma decepção após o banco dizer que manteria os níveis atuais
de dividendos em vez que aumentar, como alguns investidores
esperavam.
"A leitura inicial é de que esta não é uma estratégia
revolucionária– em vez de acelerar crescimento (particularmente
na Ásia), assim como levar a melhor criação de valor", disse o
analista Joseph Dickerson, da Jefferies International.
Os principais pontos da nova estratégia do banco trazem
poucas surpresas aos investidores do HSBC, com o foco
diretamente em mais expansão na China.
O banco também vai buscar expandir mais no mercado de
hipoteca britânico como uma das oito novas metas de estratégia.
"Após um período de reestruturação, agora é o momento para o
HSBC voltar ao modo de crescimento", disse Flint.
O banco não encontrou uma solução para seu negócio nos
Estados Unidos, com desempenho fraco, mostrou a nova estratégia,
com o HSBC com o objetivo de voltar seu foco para tentar
aumentar participação de mercado entre empresas de médio porte
com foco internacional.
O banco também vai retomar empréstimos sem garantia em sua
unidade de varejo, entrando no segmento mais arriscado, mas mais
rentável, do mercado de consumo que leva a lucros maiores
alcançados por concorrentes nos Estados Unidos.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 5644-7727))
REUTERS FB AAJ


Assuntos desta notícia

Join the Conversation