Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

TÓQUIO, 11 Out (Reuters) – A japonesa Kobe Steel
mergulhou ainda mais em uma crise nesta quarta-feira, à medida
que novas revelações mostraram que a fabricação de dados na
siderúrgica estava mais difundida do que se pensava
inicialmente, aumentando preocupações ao longo da cadeia global
de fornecimento.
Investidores, preocupados com o impacto financeiro e as
possíveis consequências legais, derrubaram as ações da empresa,
eliminando cerca de 1,6 bilhão em seu valor de mercado em dois
dias.
A Kobe Steel disse nesta quarta-feira que encontrou 70 casos
de dados adulterados sobre materiais utilizados em discos
ópticos e monitores de cristal líquido em sua unidade de
pesquisa Kobelco Research Institute, que fabrica e testa
produtos para a empresa.
Uma investigação interna, que detectou problemas em seu
negócio de alumínio e cobre, não encontrou outros casos de
violação de dados, disse Yoshihiko Katsukawa, diretor executivo
da Kobe Steel, em entrevista coletiva.
As novas revelações vieram depois que a Kobe Steel admitiu
no último final de semana que falsificou dados sobre a qualidade
dos produtos de alumínio e cobre utilizados em carros,
aeronaves, foguetes espaciais e equipamentos de defesa – um novo
golpe para a reputação dos fabricantes japoneses para a produtos
de qualidade.
A Kobe Steel enfrenta custos potenciais de qualquer retirada
de produtos, substituições e possíveis processos judiciais,
incluindo ações coletivas nos Estados Unidos, disse em um
relatório Yuji Matsumoto, analista da Nomura Securities.
A manipulação de dados em sua unidade de alumínio também
poderia atingir os planos de expansão, à medida que as
montadoras se voltam cada vez mais para materiais mais leves do
que o aço, para cumprir regras ambientais mais rígidas.
As vendas na divisão de alumínio e cobre da Kobe Steel
caíram 6,4 por cento para 323,3 bilhões de ienes (2,9 bilhões de
dólares) no ano até março, e o lucro recorrente caiu mais de um
quinto para 12 bilhões de ienes.
(Por Yuka Obayashi e Tomo Uetake)
((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447553))
REUTERS TH ASF


Assuntos desta notícia

Join the Conversation