Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Guto Ferreira, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), e Byoung-Gyu Yu, presidente do Instituto Coreano de Economia Industrial e Comércio (Kiet, na sigla em inglês) assinaram acordo de cooperação para a elaboração políticas industriais, com foco em inovação.

“Assinamos o primeiro acordo internacional da história da ABDI com uma agência correlata, a Kiet, a mais importante agência de desenvolvimento industrial coreana”, disse Guto Ferreira. “O acordo prevê a troca de informações para o desenvolvimento da indústria 4.0 e o intercâmbio de profissionais para estudo de nano materiais, tecnologias para saúde e startups”, completou.

MetaTrader 300×250

Para Guto Ferreira, a assinatura do acordo representa um passo importante na elaboração de uma política específica para a inovação brasileira. “Vamos promover um diálogo com a Coreia do Sul, que é referência mundial”, disse. Segundo ele, o Brasil precisa estar apto a viver a nova revolução industrial, a chamada indústria 4.0.

As duas agências vão trabalhar juntas por três anos. Neste período, as duas instituições vão trocar informações sobre boas práticas na implantação de políticas industriais. “A Coreia do Sul é um dos países mais inovadores do mundo. Temos muito a aprender com eles. Incentivar o investimento em inovação é fundamental para o desenvolvimento do nosso parque industrial”, afirmou.

O acordo prevê ainda a realização de conferências, seminários e grupos de estudos acerca de aspectos relevantes da política industrial, com ênfase em inovação; estudos para mapeamento dos setores prioritários e que tenham alinhamento para a cooperação entre os dois países; a realização de visitas e o intercâmbio de pessoal, incluindo atividades de treinamento.

Projetos inovadores

A ABDI e a Kiet vão trabalhar também para atrair investimentos voltados para o desenvolvimento de projetos inovadores. A construção da Daedeok Innopolis, um polo tecnológico localizado no distrito de Pangyo, que abriga centros de pesquisa e centenas de startups, será um dos exemplos a ser utilizados na parceria com a Coreia do Sul.

“O distrito coreano foi construído com US$ 4 bilhões, 60% da iniciativa privada. E hoje as startups que estão lá valem US$ 61 bilhões. O acordo que firmamos permite que a Coreia do Sul trabalhe conosco na estruturação de algo semelhante”, afirmou Guto Ferreira.


Assuntos desta notícia