Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

SÃO PAULO, 22 Nov (Reuters) – O principal índice da bolsa
paulista perdia fôlego na tarde desta quarta-feira, com
investidores evitando grandes apostas antes de novidades sobre o
avanço da reforma da Previdência e com as fortes altas nos três
pregões anteriores abrindo espaço para algum ajuste.
Às 17:20, o Ibovespa caía 0,15 por cento, a 74.485
pontos. Na máxima até o momento, o índice subiu 0,57 por cento,
enquanto perdeu 0,47 por cento na mínima, após acumular alta de
5,3 por cento nos três pregões anteriores. O giro financeiro
desta sessão era de 7,5 bilhões de reais.
O noticiário mais esvaziado nesta sessão colaborava com o
movimento sem rumo firme do mercado acionário local.
O presidente Michel Temer reúne esta noite deputados da base
aliada com o objetivo de angariar mais apoio para emplacar sua
proposta de reforma da Previdência, enquanto trabalha ainda em
uma mini reforma ministerial.
No exterior, a ata da mais recente reunião do Federal
Reserve, banco central dos Estados Unidos, mostrou que membros
do banco central esperam que a taxa de juros tenha que ser
elevada em breve, corroborando a expectativa do mercado por um
aumento em dezembro. No entanto, o teor não alterou a visão de
que o ritmo de elevação deverá seguir gradual.
As principais influências positivas vinham de empresas
ligadas a commodities, em meio aos ganhos do petróleo no mercado
internacional e dos contratos futuros do minério de ferro na
China. Petrobras PN subia 1,13 por cento e Petrobras
ON avançava 0,98 por cento. Já Vale
ganhava 2,23 por cento.
Já o setor bancário exercia a principal pressão negativa,
com as ações preferenciais do Bradesco caindo 1,31
por cento e as do Itaú Unibanco recuando 1,13 por
cento.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em
Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

(Por Flavia Bohone; Edição de Raquel Stenzel)
(([email protected]; 55 11 5644-7727; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia