Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

BRASÍLIA, 11 Jan (Reuters) – Economistas melhoraram a
projeção para o déficit primário do governo central (Tesouro,
Banco Central e Previdência) em 2018 e também para 2019, segundo
relatório Prisma Fiscal divulgado nesta quinta-feira pelo
Ministério da Fazenda.
De acordo com a mediana dos dados coletados até o quinto dia
útil deste mês, a expectativa para o déficit primário deste ano
diminuiu a 153,944 bilhões de reais, contra 155 bilhões de reais
anteriormente.
Com isso, permaneceu dentro da meta estabelecida pelo
governo, que é de um saldo negativo em 159 bilhões de reais. O
cumprimento do alvo, contudo, é envolto em incertezas em função
da série de medidas que foram enviadas ao Congresso Nacional
para assegurá-lo, mas que não foram analisadas pelos
parlamentares.
Dentre elas, estão a mudança na tributação de fundos
fechados — que se aprovada, inclusive, só renderá frutos em
2019 –, além da reoneração da folha de pagamento das empresas,
o adiamento do reajuste do funcionalismo público e o aumento da
contribuição previdenciária dos servidores.
Para 2019, a estimativa passou a ser de um déficit primário
de 120,961 bilhões de reais, contra indicação do governo de um
resultado primário negativo em 139 bilhões de reais, que será,
se confirmado, o sexto dado consecutivo no vermelho do país.
Antes, a expectativa do mercado era de um rombo de 125,514
bilhões de reais para as contas públicas no ano que vem.
Ainda segundo o Prisma, a perspectiva para a trajetória da
dívida bruta é de que chegue a 76 por cento do Produto Interno
Bruto (PIB) em 2018, contra patamar de 77,21 por cento visto
anteriormente. Para 2019, a projeção também melhorou a uma
relação de 78,39 por cento do PIB, ante 79,46 por cento
anteriormente.

(Por Marcela Ayres; Edição de Camila Moreira)
(([email protected]; 5561-3426-7021; Reuters
Messaging: [email protected]))

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Assuntos desta notícia