Clicky

MetaTrader 728×90

O dólar comercial segue devolvendo nesta sexta-feira, com as atenções nos números do setor de trabalho dos Estados Unidos, o Payroll, que ficou em 164 mil no mês de abril. A estimativa do mercado apontava para a alta de 190 mil, entretanto, a taxa de desemprego caiu para 3,9% informou hoje o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos. No cenário doméstico, em dia de agenda fraca, a atenção segue para alguma posição do Banco Central do Brasil e também para o quadro político.

Há pouco, no interbancário, a moeda estava cotada a R$3, 525 para a compra e R$3, 527 para a venda, queda de 0,1%.

MetaTrader 300×250

O euro estava em R$4, 209 para a compra e R$4, 212 para a venda, queda de 0,42 %.

A libra estava em R$4, 767 para a compra e R$ 4, 770 para a venda, queda de 0,42%.

O Banco Central do Brasil ofertou 8,900 contratos em swap cambial tradicional, que equivale a venda de dólares no mercado futuro.

No cenário externo, o índice DXY, que mede o comportamento da moeda com mais seis, estava em alta de 0,43% a 92,86 sendo negociado em torno de seu nível mais alto desde o início de janeiro. O índice estava a caminho de um ganho semanal de 1,1%, o que marcaria uma terceira semana consecutiva de avanços.

O relatório de empregos, que era o mais recente exame de saúde da economia dos Estados Unidos, o Payroll, ficou misto, com folhas de pagamento do setor privado mais fracas do que esperado de 164 mil contra os 190 mil esperados e os ganhos salariais subiram 0,1% em comparação com a previsão de consenso de 0,2%. No entanto, a taxa de desemprego caiu de 4,1% para 3,9%, marcando o seu nível mais baixo desde o final de 2.000.

O euro também segue em queda de 0,39% a US$1.1928, com a queda e o pessimismo com o índice final de março de Gerentes de Compras da região mais fraco do que o esperado. O PMI composto caiu para 55,1 de 55,2 em março. A leitura da potência da Zona do Euro, a Alemanha, caiu para uma baixa de 19 meses, de 54,6.

A libra estava em queda de US$1.3501.


Assuntos desta notícia