Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

O dólar comercial manteve a alta nesta quinta-feira, com o mercado acionário volátil, na carona com o cenário externo. Embora a pressão de que os Estados Unidos poderiam atacar a Síria tenha diminuído as incertezas ainda tomaram conta dos mercados cambiais. Na bolsa de Nova York, os índices da moeda operam valorizados.

Ao final, no interbancário, a moeda ficou cotada a R$3,406 para a compra e R$3,408 para a venda, alta de 0,63%.

MetaTrader 300×250

O euro ficou em R$4,199 para a compra e R$4,203 para a venda, alta de 0,67%.

A libra ficou em R$4, 848 para a compra e R$4,851 para a venda, alta de 1,36%.

O Banco Central do Brasil vendeu 3,4 mil contratos, na modalidade swap cambial tradicional que equivale a venda de dólares no mercado futuro, rolando US$680 milhões e com vencimento para maio.

Na bolsa de Nova York, o índice DXY , que mede o comportamento da moeda com mais seis, estava em alta de 0,29% a 89,77. O WSJ, que amplia o comparativo para 16 outras moedas, estava em alta de 0,18% a 83,79.

O euro fechou em queda de 0,19% a US$1.2333. A libra ficou em alta de 0,34% a US$1.4240.

O avanço do dólar no mercado internacional, depois de cinco sessões em queda, ficou com a busca dos investidores para ativos mais seguros em tempos de turbulência geopolítica. Ontem, por exemplo, o  presidente Donald Trump foi duro ao destacar um ataque dos Estados Unidos contra a Síria com a acusação de que o governo daquele país teria sido o responsável pelo uso de armas químicas motivando civis em Damasco no fim de semana. O aumento da tensão ocorreu com o presidente Vladimir Putin ameaçando os Estados Unidos em defesa do presidente sírio Bashar al-Assad.

No Reino Unido, a primeira-ministra  Theresa May convocou hoje seu gabinete para discutir se deveria apoiar as ações militares propostas pelos Estados Unidos, destacando que está pronta para a ação.

Já a chanceler alemã Angela Merkel ponderou e disse que seu país não participaria de uma ação militar contra a Síria.

Com o clima tenso, as moedas dispararam na Europa. Entretanto, logo depois de divulgados os números da produção industrial da Zona do Euro, que recuaram ligeiramente pelo terceiro mês consecutivo em fevereiro, o euro acabou voltando nos mercados europeus.  Já a libra disparou frente a todas as moedas com a decisão de Theresa May.


Assuntos desta notícia

Join the Conversation