Clicky

MetaTrader 728×90

Por Will Dunham
WASHINGTON, 12 Jan (Reuters) – Cientistas usando imagens de
uma espaçonave da Nasa detectaram oito locais onde grandes
depósitos de gelo perto da superfície de Marte estão expostos em
encostas íngremes, que podem servir como uma possível fonte de
água para sustentar futuros postos avançados humanos.
Embora cientistas já saibam que cerca de um terço da
superfície de Marte contém gelo na parte superficial do solo e
que seus polos abrigam grandes depósitos de gelo, a pesquisa
publicada na quinta-feira descreve espessas camadas subterrâneas
de gelo expostas ao longo de encostas de até 90 metros de altura
nas latitudes médias do planeta.
"Foi surpreendente encontrar gelo exposto na superfície
nestes lugares. Nas latitudes médias, é normalmente coberto por
uma camada de poeira ou regolito", pedaços soltos de pedra no
topo de uma camada de uma base rochosa, disse o geólogo
pesquisador Colin Dundas, líder do estudo do Centro de Ciências
Astrogeológicas do Serviço Geológico dos Estados Unidos, em
Flagstaff, no Arizona.
As latitudes são equivalentes na Terra à Escócia ou à ponta
da América do Sul.
Os pesquisadores usaram imagens da sonda Mars Reconnaissance
Orbiter, que tem estudado a atmosfera e o terreno de Marte desde
2006, incluindo o histórico de aparentes fluxos de água na
superfície ou perto dela.
As descobertas indicam que o gelo pode ser mais disponível
do que pensado anteriormente para uso como água para apoiar
futuras missões humanas ou robóticas de exploração, talvez até
mesmo o estabelecimento de uma base permanente em Marte. A água
pode ser usada para beber e possivelmente convertida em oxigênio
para respirar.
"Humanos precisam de água em qualquer lugar que forem, e
isto é muito pesado para carregar com você. Ideias anteriores
para extrair água usável para humanos em Marte eram retirá-la da
atmosfera muito seca ou destruir rochas que contém água", disse
o cientista planetário Shane Byrne, do Laboratório Lunar e
Planetário da Universidade do Arizona, e coautor do estudo no
jornal Science.
"Aqui nós temos o que pensamos ser quase água gelada
enterrada somente abaixo da superfície. Você não vê uma solução
de alta tecnologia", acrescentou Byrne. "Você vai com um balde e
uma pá e coleta o quanto de água você precisar. Eu acho que é um
tipo de mudança significativa. Também é muito mais perto de
locais onde humanos irão provavelmente desembarcar, ao contrário
das calotas polares, que são muito inóspitas".
Os depósitos foram encontrados em sete formações geológicas
chamadas escarpas, com inclinações de até 55 graus, no
hemisfério sul, e uma no hemisfério norte.
"Nossa interpretação é que isto é neve consolidada
depositada geologicamente nos tempos recentes", disse Dundas.
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia