Clicky

MetaTrader 728×90

19 Out (Reuters) – Sinais de baixa demanda pelo iPhone 8
alimentaram mais dúvidas do mercado sobre a estratégia de duplo
lançamento da Apple este ano , o que causava uma queda
de mais de 2 por cento nas ações da companhia nesta
quinta-feira.
Joe Natale, presidente-executivo da Rogers Communications
, maior operadora de telefonia móvel do Canadá, disse
que a procura pelo mais recente modelo do iPhone tem sido
"anêmica", somando-se a uma série de indícios de que as vendas
do primeiro dos dois novos telefones que a Apple lança este ano
estão baixas.
Vários analistas do setor, porém, minimizaram as
preocupações dizendo que a produção global de telefones da
companhia parece estar de acordo com suas expectativas
anteriores.
Daniel Ives, diretor de estratégia da GBH Insights, disse
que suas próprias verificações mostram que apenas 20 a 25 por
cento dos iPhones a serem vendidos nos próximos 12 a 18 meses
serão dos modelos 8 ou 8 Plus.
"A demanda pelo iPhone 8 tem sido fraca, o principal evento
é o lançamento do iPhone X no início de novembro", afirmou Ives.
"Este é o início do que acreditamos ser o maior ciclo de
produtos do iPhone com o X liderando o caminho", acrescentou.
A Apple já não fornece atualizações regulares sobre os
números de vendas, mas as indicações dos canais de
abastecimento, operadores de telefonia e analistas que
acompanham o setor alimentaram a discussão de vendas fracas para
a mais recente versão do celular.
Quando a Apple anunciou o plano de lançar ambos os telefones
antes do final de 2017, os fãs ficaram decepcionados
principalmente devido ao adiamento no lançamento do iPhone X até
novembro. Mas também há preocupações de que a nova versão, mais
cara até agora já vendida pela empresa, não consiga tantos
compradores.
Natale, da Rogers Communications, disse que a expectativa é
alta para o iPhone X, mas também observou que o estoque do
produto seria limitado e que, com um preço inicial 999 dólares,
trata-se de um dispositivo caro.
(Por Supantha Mukherjee)
((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447745))
REUTERS TH AAJ


Assuntos desta notícia