Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Michael Martina e Ben Blanchard
PEQUIM, 3 Mai (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos,
Donald Trump, exaltou seu relacionamento com o presidente
chinês, Xi Jinping, por ocasião da chegada de uma delegação dos
EUA a Pequim nesta quinta-feira para debater tarifas comerciais.
Um acordo pioneiro para mudar fundamentalmente as políticas
econômicas da China durante a visita de dois dias é visto como
altamente improvável, mas um pacote de medidas chinesas de curto
prazo pode adiar uma decisão de Washington de impor tarifas
sobre cerca de 50 bilhões de dólares de exportações do país
asiático.
Os debates, conduzidos pelo secretário do Tesouro
norte-americano, Steven Mnuchin, e pelo vice-primeiro-ministro
chinês Liu He devem cobrir uma gama ampla de queixas dos EUA
sobre as práticas comerciais da China, de acusações de
transferência de tecnologia forçada a subsídios estatais para o
desenvolvimento tecnológico.
"Encantado de estar aqui. Obrigado", disse Mnuchin à Reuters
ao chegar ao seu hotel quando indagado se espera um progresso,
sem fazer outros comentários.
Na mesma ocasião Trump tuitou: "Nossa grande equipe
financeira está na China tentando negociar condições
igualitárias no comércio! Espero estar com o presidente Xi no
futuro não muito distante. Sempre teremos um bom (ótimo)
relacionamento!"
Não ficou claro quando Trump e Xi podem voltar a se
encontrar, mas ambos provavelmente comparecerão a algumas
cúpulas multilaterais deste ano, entre elas os encontros do G20
e da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec).
Durante sua campanha eleitoral de 2016, Trump ameaçou
repetidamente impor uma tarifa única de 45 por cento a bens
chineses como maneira de obter condições igualitárias para os
trabalhadores norte-americanos. À época, ele também acusava a
China de manipular sua moeda para obter uma vantagem nas
exportações, alegação que seu governo descartou desde então.
A embaixada dos EUA em Pequim disse que a delegação planeja
se encontrar com autoridades chinesas nos dois dias, além do
embaixador norte-americano, Terry Branstad, antes de partir na
noite de sexta-feira.
Indagada sobre as conversas, a porta-voz do Ministério de
Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse que elas
acabaram de começar e que não tem informações.
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia