Clicky

MetaTrader 728×90

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas subiu 2,6 pontos entre julho e agosto, ao passar de 76,7 para 79,3 pontos, o maior desde janeiro de 2015 (81,2 pontos). Esta foi a quarta alta consecutiva do índice, a partir do mínimo histórico, de 64,4 pontos, registrado em abril passado. O indicador foi apresentado nesta quarta-feira.

“Aproximadamente 90% da alta da confiança dos consumidores nos últimos quatro meses anteriores foi determinada pela melhora das expectativas. Em agosto, no entanto, a maior contribuição veio do aumento da satisfação com a situação presente, um sinal favorável, considerando que houve uma melhora na percepção dos consumidores tanto em relação ao mercado de trabalho quanto à situação financeira das famílias. O resultado dá maior consistência à tendência de recuperação do ICC.“, afirma Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora da Sondagem do Consumidor.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

O grau de satisfação dos consumidores com a situação presente aumentou pelo segundo mês consecutivo. Após atingir o mínimo histórico em junho, o Índice da Situação Atual (ISA) subiu 3,8 pontos, atingindo 69,5 pontos em agosto, o maior desde setembro passado (69,8 pontos). Já as expectativas melhoraram pelo quarto mês consecutivo: o Índice de Expectativas (IE) avançou 1,6 pontos, atingindo 86,9 pontos, o maior desde dezembro de 2014 (87,2 pontos).

As avaliações dos consumidores brasileiros em relação ao presente melhoraram em relação à a situação econômica geral e quanto à situação financeira das famílias. O indicador que mede a satisfação com a situação econômica local foi o quesito que mais influenciou o ICC pelo terceiro mês consecutivo, em agosto, ao subir 3,6 pontos atingiu 76,6 pontos, o maior nível desde maio de 2015 (77,6 pontos).

Com relação às expectativas futuras, o indicador que mede o grau de otimismo em relação à Situação Econômica Local Futura aumentou 1,7 ponto ao passar de 109,9 para 111,6 pontos, o maior desde setembro de 2012 (111,9 pontos) após cinco meses de consecutivos em alta.

Houve aumento da confiança em todas as quatro classes de renda pesquisadas. A melhora mais expressiva ocorreu entre os consumidores com renda familiar entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00, em que o ICC aumentou 5,2 pontos em agosto e 14,3 pontos no acumulado do trimestre. Para os consumidores de menor poder aquisitivo (renda familiar inferior a R$ 2.100), a confiança aumentou 3,0 pontos em agosto e acumulou 50% menos do que a faixa citada anteriormente, 7,1 pontos no acumulado do trimestre.


Assuntos desta notícia