Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Andrew Cawthorne e Leon Wietfeld
CARACAS, 8 Dez (Reuters) – Os venezuelanos votam no domingo
em uma eleição municipal de âmbito nacional que será boicotada
pelos grandes partidos da oposição, o que deve ajudar o
presidente Nicolás Maduro a consolidar seu poder antes de uma
provável tentativa de reeleição em 2018.
Depois de resistir a enormes protestos de rua, sanções
internacionais e uma dissidência dentro da própria sigla
governista, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o
presidente de 55 anos viu seus candidatos obterem uma maioria
surpreendente nas eleições estaduais de outubro.
Agora, com 335 municípios em disputa, parece certo que os
socialistas repetirão o feito, ajudados pelo absenteísmo
opositor, o que encantará Maduro depois da abjeção internacional
que enfrentou durante todo o ano.
Os principais partidos da coalizão opositora enfraquecida –
Primeiro Justiça, Vontade Popular e Ação Democrática –
preferiram se ausentar da votação de domingo, alegando que o
sistema eleitoral é distorcido e concebido puramente para manter
uma "ditadura" no poder.
"É loucura não participar", disse o analista político
Dimitris Pantoulas. "O governo muito provavelmente terá um dos
melhores resultados de sua história… Maduro ficará muito forte
depois desta eleição. O momento político é dele".
Os socialistas já ocupam mais de 70 por cento das
prefeituras da Venezuela, e a previsão é que ganhem mais espaço,
aumentando sua presença entre os extratos populares no momento
em que Maduro pondera concorrer a um segundo mandato de seis
anos no país-membro da Organização dos Países Exportadores de
Petróleo (Opep).
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765))
REUTERS TR


Assuntos desta notícia