Clicky

MetaTrader 728×90

Um dia depois da alta recorde da moeda americana, que chegou a 23,30 pesos, o Banco Central da Argentina anunciou o aumento das taxas de juros para 40% – na véspera já tinham subido para cerca de 34%.  A preocupação agora é se a alta dos juros afetará o crescimento econômico da Argentina.

“Eu não seria sério se afirmasse que o aumento dos juros não afetará nossa atividade econômica. Esperamos que esta alta de juros seja transitória. Mas é melhor isso do que ficar de braços cruzados”, disse o ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, considerando a volatilidade internacional. Ele ratificou a meta de inflação de 15% neste ano, de 10% em 2019 e de 5% em 2020.

MetaTrader 300×250

Analistas econômicos estimam que este ano a inflação deve estar entre 20% e 22%.

Mas com objetivo de enviar tranquilidade ao mercado financeiro e aos consumidores argentinos, Dujovne disse: “Temos certeza de que a Argentina continuará crescendo, reduzindo o desemprego e a pobreza”.

O ministro chamou a oposição de “demagoga” e “populista” por tentar aprovar uma lei contra o aumento das tarifas dos serviços públicos.

O aumento é um dos motivos para a queda no apoio popular do presidente Mauricio Macri. O governo responsabiliza o governo anterior pelos preços baixos das tarifas e a necessidade agora, argumenta, de aumentá-las. Dujovne informou ainda a mudança na meta do déficit fiscal de 3,2% para 2,7% neste ano.

Por sua vez, o ministro das Finanças, Luis Caputo, disse, na mesma coletiva nesta manhã de sexta-feira, que a volatilidade externa, que afeta vários países nos últimos dias, não os pegou de surpresa.

“A Argentina está muito preparada para os choques externos”, disse Caputo. Segundo ele, o câmbio flexível permite que o BCA venda reservas (para conter o dólar).

O dia tinha começado tenso e com fortes expectativas, após uma quinta-feira agitada e dominada por boatos, incluindo mudanças ministeriais. Mas a equipe econômica foi ratificada por Macri, segundo informa o Clarín.  É preciso ver qual será o comportamento da moeda americana e da economia argentina a partir de agora.

Todas as informações são do El Clarín


Assuntos desta notícia