Clicky

MetaTrader 728×90

(Texto reescrito e atualizado com mais informações)
Por José Roberto Gomes
SÃO PAULO, 14 Mai (Reuters) – Maior produtor de soja do
Brasil, Mato Grosso deverá ampliar a área plantada com a
oleaginosa na safra 2018/19 para um novo recorde, mas tende a
colher menos em razão de um esperado recuo nas produtividades,
previu nesta segunda-feira o Instituto Mato-grossense de
Economia Agropecuária (Imea).
Em sua primeira estimativa para a próxima temporada, cujo
plantio se dará apenas no segundo semestre, o instituto ligado
aos produtores apontou a semeadura em 9,58 milhões de hectares,
aumento de 1,22 por cento sobre o atual ciclo 2017/18. A
previsão preliminar leva em conta expectativas do mercado e
levantamentos junto a agricultores.
Esse incremento, contudo, não deverá se dar na produção, uma
vez que os rendimentos das lavouras devem ficar aquém do recorde
registrado neste ano, segundo avaliação preliminar do Imea.
A expectativa do Imea é de 56,23 sacas por hectare em
2018/19, ante 57,28 sacas em 2017/18. Com isso, devem ser
produzidos 32,32 milhões de toneladas no próximo ciclo, versus
históricos 32,52 milhões na temporada atual.
"Cabe salientar, que, apesar das projeções dos rendimentos a
campo ser limitada neste momento, ainda restam ser adquiridos
grande parte dos insumos por parte do produtor rural, e neste
momento a expectativa dos agentes de mercado é de manutenção do
investimento em tecnologia no campo", afirmou o Imea, em nota.
O instituto ponderou ainda que essa primeira projeção
"representa o sentimento inicial do mercado e ainda há muito
'chão pela frente', e o fator clima continuará como sempre
determinante nas consolidações dos bons rendimentos a campo".

COMERCIALIZAÇÃO
As vendas antecipadas de soja da safra que ainda será
colhida estão aquecidas, segundo o Imea, em meio a bons preços
ao produtor e uma forte apreciação do dólar ante o real, o que é
um estimulante para negócios.
Até agora em maio, 13,97 por cento da produção futura já foi
comercializada, acima da média de 10,34 por cento para o período
e bem superior ao índice de 1,74 por cento de um ano atrás,
nesta época, para a temporada 2017/18.
No caso da safra 2017/18, já colhida, as vendas atingem até
o momento 79,68 por cento, em linha com a média de cinco anos,
mas acima dos 69 por cento de um ano atrás.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

MILHO
O Imea ainda revisou sua estimativa para a safra de milho no
Estado, cuja colheita ganhará ritmo nas próximas semanas
–praticamente todo o cereal cultivado no Estado, também o maior
produtor, é da chamada "safrinha", colhido no inverno.
O instituto espera agora uma área 1,82 por cento maior ante
a estimativa passada, com 4,57 milhões de hectares.
Como a produtividade não sofreu alterações (96,26 sacas por
hectare), a perspectiva é de produção de 26,38 milhões de
toneladas, 1,83 por cento acima da previsão anterior, mas 13,37
por cento aquém do recorde do ano passado.
"Apesar dos bons volumes de chuvas que perduraram até a
primeira quinzena de abril, é prevista uma redução pluviométrica
durante o mês de maio em grande parte das regiões produtoras, o
que demanda atenção, principalmente nas áreas semeadas fora da
janela ideal", disse o Imea.
O clima tem sido um ponto de preocupação para a safrinha de
milho deste ano, principalmente no Paraná e em Mato Grosso do
Sul. Nesses Estados, a falta de chuvas tende a reduzir a
produção do cereal.

(Edição de Roberto Samora)
(([email protected]; 55 11 5644 7762; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation