Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

(Texto atualizado com mais informações)
Por Magalí Cervantes
BAHIA BLANCA, Argentina, 23 Nov (Reuters) – Um objeto
detectado por um avião da Marinha dos Estados Unidos perto do
local onde um submarino argentino enviou seu último sinal na
semana passada não é a embarcação desaparecida, disse uma
porta-voz da embaixada dos EUA em Buenos Aires nesta
quinta-feira.
O objeto foi avistado durante um voo do avião P-8A Poseidon
que participa da grande operação aérea e marítima de buscas pelo
ARA San Juan. O submarino viajava pelo Atlântico Sul com uma
tripulação de 44 pessoas, e transmitiu seu último sinal em 15 de
novembro.
O avião da Marinha dos EUA, que retornou para sua base
argentina em Bahia Blanca na noite de quarta-feira, está entre
dezenas de aeronaves e embarcações da Argentina e de outros
países envolvidos nas buscas.
Há uma crescente preocupação de que o submarino esteja perto
do fim de seu suprimento de oxigênio de sete dias.
Autoridades argentinas estão analisando um barulho incomum
detectado perto da área onde o submarino de origem alemã enviou
seu último sinal.
Na quarta à noite, o porta-voz da Marinha argentina, Enrique
Balbi, disse que os resultados de uma análise realizada
principalmente nos Estados Unidos de sons do fundo do mar
detectaram uma "anomalia acústica" na área na manhã de 15 de
novembro, no mesmo período em que o submarino desapareceu.
Perguntado se o barulho poderia ser descrito como uma
explosão, Balbi se recusou a comentar, e disse que as
autoridades continuam investigando o som detectado.
Familiares dos tripulantes se reuniram em uma base naval na
cidade litorânea de Mar del Plata, de onde as buscas estão sendo
coordenadas.
O submarino viajava de Ushuaia, a cidade mais ao sul do
continente, para Mar del Plata, a 400 quilômetros ao sul de
Buenos Aires, quando registrou uma pane elétrica pouco antes de
desaparecer. O submarino foi lançado em 1983 e passou por uma
manutenção em 2008 na Argentina.
(Reportagem adicional de Luc Cohen em Buenos Aires)
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF AC


Assuntos desta notícia