Clicky

MetaTrader 728×90

(Texto atualizado com mais informações do balanço, entrevista
com executivo da companhia e desempenho das ações)
Por Gabriela Mello
SÃO PAULO, 10 Nov (Reuters) – A Kroton está
confiante de que pode encerrar 2017 com lucro recorde e vê
potencial para acelerar o ritmo de matrículas no próximo ano,
com a abertura de novos polos de ensino à distância (EAD) e
novas unidades presenciais entrando no processo de captações de
alunos.
"Esse ano bateremos o guidance", afirmou à Reuters nesta
sexta-feira o diretor de Relações com Investidores da empresa,
Carlos Lazar. Segundo ele, o lucro acumulado no ano até
setembro, de 1,492 bilhão de reais, já é "o mais forte na
história da companhia".
A Kroton já deu a largada nas campanhas para captação de
alunos e já vê sinais positivos, com a estratégia de crescimento
orgânico ajudando a impulsionar as matrículas no ano que vem.
"Abriremos outros 200 polos EAD além dos 200 já abertos esse ano
e teremos no início do ano que vem cerca de 1.300 polos",
comentou.
No segmento presencial, seis novas unidades entraram no
processo de captações e a Kroton espera chegar ao fim de 2018
com 28 novos campi, de acordo com ele.
Sobre planos de fusões e aquisições, Lazar disse que o grupo
está continuamente buscando ativos e citou várias negociações em
diferentes estágios, com destaque para a área de ensino básico.
No início de outubro, a Kroton informou em apresentação a
investidores que tinha na mira 16 ativos no mercado premium de
escolas de marca forte e grande alcance, dos quais três estavam
em estágio avançado de negociação.
"Também não descartamos aquisições em ensino superior, mas
notadamente olhamos para ativos de pequeno e médio porte em
presencial", acrescentou Lazar.
Às 11:53, as ações do maior grupo de ensino superior privado
do país cediam 2,88 por cento, cotadas a 17,51 reais,
enquanto o Ibovespa recuava 1,18 por cento.

BASE DE ALUNOS
Ao fim de setembro, a Kroton tinha uma base de 937.167
estudantes, dos quais 408.593 em presencial e 528.574 em EAD,
conforme o balanço trimestral divulgado nesta manhã.
O total de alunos é 1,7 por cento menor ao observado um ano
atrás, conforme o aumento das evasões e um número maior de
formandos mais que compensaram as captações.
No terceiro trimestre, a taxa de evasão subiu para 13,6 por
cento no presencial e 16 por cento no EAD, de 8,3 por cento e
12,4 por cento, respectivamente, um ano atrás, devido à postura
mais criteriosa da empresa em procedimentos de cobrança.
Além disso, as rematrículas foram 3 por cento menores entre
julho e setembro em cursos de graduação, afetadas pelo cenário
econômico ainda desafiador e pelo elevado nível de desemprego.
Lazar alertou que a companhia já se prepara para uma mudança
de mix na base de alunos, com o aumento das graduações de alunos
Fies nos próximos anos. O programa de financiamento estudantil
contribuiu com menos de 3 por cento da captação total em
graduação no terceiro trimestre.
Com isso, a participação do Fies na base total de alunos de
graduação da Kroton caiu a 16,4 por cento no fim de setembro, de
21,4 por cento um ano antes.
Questionado sobre o Novo Fies, aprovado pelo Senado Federal
na quarta-feira, Lazar respondeu que ainda é cedo para estimar
os efeitos das novas regras nos negócios da companhia. "Ainda
temos que entender como o governo vai operacionalizar uma série
de itens", disse, lembrando que o programa vem perdendo
relevância nas captações desde 2015.
Por outro lado, o Parcelamento Estudantil Privado (PEP) é a
aposta da companhia para impulsionar as matrículas. A Kroton
tinha 51,9 mil alunos matriculados com PEP.
"O PEP hoje representa em torno de 15 por cento da base do
presencial e a tendência é atingir até um terço da base em pelo
menos dois a três anos", contou Lazar.
Mais cedo, a Kroton divulgou alta de 22,4 por cento no lucro
líquido do terceiro trimestre, apoiada em um crescimento de 8
por cento da receita e contínuos esforços para eficiência em
custos.
A companhia teve resultado líquido positivo de 450,8 milhões
de reais de julho a setembro, ante 368,2 milhões de reais no
mesmo intervalo de 2016. Em termos ajustados, a Kroton lucrou
529,7 milhões de reais no período, alta de 17 por cento na
comparação anual.
O desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros,
impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 10,7 por
cento no terceiro trimestre, para 544,37 milhões de reais. Já o
Ebitda ajustado foi de 576,78 milhões de reais, alta de 8,4 por
cento ano a ano.
Em relatório, a equipe do UBS liderada por Maria Tereza
Azevedo apontou que o Ebitda ajustado da Kroton ficou 6,7 por
cento abaixo do esperado pelo banco, citando melhora marginal
das margens em meio às condições macroeconômicas desafiadoras.
Separadamente, a Kroton anunciou nesta sexta-feira a
distribuição de 171,3 milhões de reais em dividendos, ou
R$0,1045081823 por ação ordinária, com pagamento até o dia 27 de
novembro.

MetaTrader 300×250

(Edição de Flavia Bohone)
(([email protected]; +55 11 56447719; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation