Clicky

MetaTrader 728×90

(Texto atualizado com mais informações e contexto)
SÃO PAULO, 30 Jan (Reuters) – A Cerradinho Bioenergia e a FS
Bioenergia anunciaram nesta terça-feira investimentos para a
expansão da produção de etanol de milho que somam 580 milhões de
reais.
Os aportes ocorrem em meio a um cenário mais positivo para
os combustíveis renováveis no Brasil, dados o maior consumo nos
últimos meses e a sanção da Política Nacional de Biocombustíveis
(RenovaBio) no fim do ano passado pelo presidente Michel Temer.

A FS Bioenergia investirá 350 milhões de reais para ampliar
sua usina em Lucas do Rio Verde (MT), inaugurada em agosto do
ano passado e que produz álcool exclusivamente a partir do milho
–o Estado conta ainda com unidades flex, que usam tanto o
cereal quanto a cana-de-açúcar para fabricar o biocombustível.

MetaTrader 300×250

De acordo com a companhia, as obras já começaram e, uma vez
concluídas, levarão a unidade a moer 1,3 milhão de toneladas de
milho por ano, com produção de 530 milhões de litros de etanol
(ante 240 milhões atualmente), além de fabricação de 400 mil
toneladas de farelo de milho, 15 mil toneladas de óleo de milho.
"Com a ampliação da usina poderemos acompanhar a crescente
demanda por nossos produtos, além de colaborar ainda mais com o
desenvolvimento econômico e social do Estado do Mato Grosso e do
País", disse em nota o presidente da FS Bioenergia, Henrique
Ubrig.
Em paralelo, o grupo sucroenergético Cerradinho Bioenergia
investirá 280 milhões de reais na construção de uma usina de
etanol de milho em Chapadão do Céu (GO), de acordo com
comunicado do governo do Estado divulgado nesta terça-feira.
A empresa já possui uma unidade no município e, com o
investimento, ampliará sua produção total de etanol em 230
milhões de litros, o equivalente a 50 por cento da capacidade
atual.
A expectativa, conforme o governo goiano, é que as obras
durem 14 meses, com previsão de entrada em plena operação em
maio de 2019.
A Cerradinho mantém em Chapadão do Sul (MS) um terminal
férreo de transbordo para escoamento da produção própria de
etanol e de terceiros para a região de Paulínia, em São Paulo,
principal polo de distribuição do combustível do Brasil.
A empresa pertence à holding Cerradinho Participações.

(Por José Roberto Gomes; Edição de Luciano Costa e Marta
Nogueira; MPP)
(([email protected]; 55 11 5644 7762; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia