Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

14 Nov (Reuters) – A diretoria da Agência Nacional de
Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira os editais
dos leilões de eletricidade A-4 e A-6, que acontecerão em 18 e
20 de dezembro e irão contratar novas usinas de geração que
precisam entrar em operação a partir de 2021 e 2023,
respectivamente.
O órgão regulador também definiu os preços-teto para a
licitação, que irão variar de um mínimo de 276 reais por
megawatt-hora para novas usinas eólicas a um máximo de 329 reais
por megawatt-hora, para novos empreendimentos solares, a
biomassa e a carvão.
O preço inicial para novas hidrelétricas será de 281 reais
por megawatt-hora.
No caso de termelétricas a gás natural, o preço de partida
será de 319 reais.
Os preços são bastante próximos aos definidos para um leilão
de energia agendado para o final de 2016, que acabou cancelado
por falta de demanda. Na época, o teto para usinas solares era
de 320 reais por megawatt-hora, enquanto para as eólicas o valor
era 247 reais por megawatt-hora.
Poderão participar dos leilões, ainda, usinas que já possuem
outorga, mas com preços iniciais diferentes.
Para esses empreendimentos, o preço-teto no caso de
hidrelétricas será de 211,81 reais por megawatt-hora. Para
eólicas, o valor é de 173,76 reais, e para as usinas à biomassa
de 230,66 reais.
O leilão A-4 vai contratar eólicas, usinas solares e
térmicas à biomassa, além de hidrelétricas. Já o leilão A-6
envolverá usinas hídricas, eólicas e térmicas a gás, biomassa e
carvão.

(Por Luciano Costa; Edição de José Roberto Gomes)
(([email protected]; 5511 5644 7519;
Reuters Messaging: [email protected]
– Twitter: @AnaliseEnergia))

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Assuntos desta notícia

Join the Conversation