Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

SÃO PAULO, 3 Dez (Reuters) – A desaprovação ao governo do
presidente Michel Temer diminuiu dentro da margem de erro de 2
pontos, apontou pesquisa do instituto Datafolha divulgada neste
domingo, que apontou que 71 por cento dos entrevistados avaliam
a gestão do peemedebista como ruim ou péssima, uma variação
negativa de dois pontos em relação à pesquisa anterior,
divulgada no final de setembro.
O levantamento, publicado pelo jornal Folha de S.Paulo,
apontou que o percentual dos que consideram o governo Temer
ótimo ou bom manteve-se estável em 5 por cento. Ainda de acordo
com a pesquisa, 23 por cento avaliam o governo como regular,
ante 20 por cento em setembro, enquanto 1 por cento não soube
responder, eram 2 por cento na pesquisa anterior.
O Datafolha apontou ainda que 60 por cento dos entrevistados
esperam que a inflação vai aumentar, ante 56 por cento em
setembro. Apenas 11 por cento acreditam que a inflação cairá,
mesmo percentual da pesquisa anterior, e 24 por cento apostam na
estabilidade da alta dos preços, contra 27 por cento na sondagem
anterior.
O instituto também apontou queda no pessimismo da população
em relação à retomada do emprego, embora 50 por cento ainda
acredite que o desemprego aumentará, contra 53 por cento no fim
de setembro. Os que apostam que o desemprego diminuirá oscilaram
para 21 por cento, ante 20 por cento, e os que veem estabilidade
do indicador somaram 26 por cento, ante 24 por cento.
No sábado, o instituto divulgou pesquisa sobre intenção de
voto para presidente da República na eleição do ano que vem,
indicando fortalecimento da liderança do ex-presidente Luiz
Inácio Lula da Silva (PT) e a consolidação na vice-liderança do
deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que mudará de partido e deverá
ingressar no Patriota, antigo PEN, para disputar o pleito.

O instituto fez 2.765 entrevistas entre 29 e 30 de novembro,
em 192 cidades. A margem de erro é de dois pontos para mais ou
menos.

MetaTrader 300×250

(Por Eduardo Simões)
(([email protected]; 55 11 5644 7759; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation