Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

PEQUIM, 4 Mai (Reuters) – A China pediu aos Estados Unidos
para rever a medida que proíbe as empresas norte-americanas de
venderem componentes e software para a fabricante chinesa de
equipamentos de telecomunicação ZTE Corp
por sete anos, disseram duas fontes com conhecimento do assunto
nesta sexta-feira.
O pedido veio durante as negociações comerciais em Pequim
nesta semana entre altos funcionários de ambos os países, com o
objetivo de impedir uma guerra comercial.
Washington impôs a proibição no mês passado, acusando a ZTE
de quebrar um acordo para punir funcionários após a fabricante
chinesa de smartphones e equipamentos de telecomunicação
embarcar mercadorias norte-americanas para o Irã, violando as
sanções dos Estados Unidos.
Embora as autoridades dos EUA tenham dito que a ação contra
a ZTE não está relacionada a uma política comercial mais ampla,
a medida foi vista por muitos na China como parte da disputa
comercial mais ampla entre as duas maiores economias do mundo.
As fontes, que não quiseram ser identificadas porque não
estavam autorizadas a falar publicamente sobre as negociações,
disseram que os negociadores chineses pediram ao lado
norte-americano para ouvir o apelo da ZTE, levar em conta os
esforços da empresa para melhorar sua conformidade e alterar a
proibição.
Em comunicado nesta sexta-feira, o Ministério do Comércio da
China informou que as autoridades chinesas fizeram "declarações
solenes" sobre o caso da ZTE à delegação norte-americana.
O ministério também disse que as autoridades dos EUA, por
sua vez, afirmaram que "dão importância às representações da
China e relatarão a posição chinesa ao presidente dos EUA",
Donald Trump.
A proibição de vendas para a ZTE, que é fortemente
dependente das importações de chips norte-americanos, pode
afundar o negócio de smartphones da empresa chinesa. A medida
também ressaltou a forte dependência da China em relação às
importações de semicondutores, em meio a crescentes tensões
comerciais com os Estados Unidos.
A ZTE disse que a proibição é inaceitável e ameaça sua
sobrevivência.
Um porta-voz do Ministério do Comércio informou que, após a
proibição ter sido anunciada no mês passado, a China tomaria as
medidas necessárias a qualquer momento em resposta à ação dos
EUA contra a ZTE.
(Por Zhang Shu, Lusha Zhang e Se Young Lee em Pequim e John
Ruwitch em Xangai)
REUTERS RBS GM


Assuntos desta notícia