Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Claudia Violante
SÃO PAULO, 30 Nov (Reuters) – As taxas dos contratos futuros
de juros de longo prazo subiram nesta quinta-feira, com o
mercado mostrando mais preocupação diante da dificuldade que o
governo enfrenta para tentar votar a reforma da Previdência em
breve.
Os DIs mais curtos, por sua vez, fecharam o dia perto da
estabilidade, sem novidades que justificassem mudanças nas
apostas para a política monetária.
"O mercado está começando a colocar na conta que não vai
aprovar (a reforma da Previdência)… A leitura está mais
negativa", afirmou o consultor da mesa de renda fixa de uma
corretora local.
Na véspera, os investidores começaram a reduzir seu otimismo
com a possibilidade de votação da reforma depois que o ministro
da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que o governo não via mais
possibilidade de fazer novas concessões no atual texto.

O ministro disse ainda que o PSDB havia deixado a base
aliada do governo. Era justamente a percepção de que a legenda
ajudaria o presidente Michel Temer a tirar a reforma do papel
que sustentou o bom humor dos mercados nos últimos dias.
"O PSDB se tornou fonte de ruído e instabilidade", afirmou o
diretor de Tesouraria de um banco estrangeiro, ao acrescentar
que a grande incerteza agora "é se os dois partidos (PSDB e
PMDB) estarão juntos na disputa eleitoral do ano que vem, o que
é visto como um novo risco político".
Nesta quinta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados,
Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a proposta da Previdência está
"muito longe" dos 308 votos necessários para ser aprovada na
Câmara e, por isso, não tem como definir uma data para votar a
matéria. Isso acabou por azedar um mais o humor dos
investidores.
A alta do dólar ante o real também serviu de
influência para a trajetória dos DIs, uma vez que o movimento
tende a pressionar a inflação e pode exigir aperto monetário.
Os DIs mais curtos, por sua vez, continuaram refletindo as
avaliações do mercado de que o Banco Central manterá seu
movimento de afrouxamento da taxa básica de juros na próxima
semana.
Os contratos precificaram nesta sessão cerca de 95 por cento
de chances de redução de 0,50 ponto percentual da Selic agora,
igual à véspera, com o restante indicando corte de 0,25 ponto,
segundo dados da Reuters.
Para 2018, as apostas de redução de 0,25 ponto percentual em
fevereiro, na primeira reunião do Comitê de Política Monetária
(Copom) do BC no ano, mantinham-se próximas de 70 por cento,
iguais às da véspera, segundo operadores. O restante indicava
manutenção da Selic.
Atualmente, a taxa básica de juros está em 7,50 por cento ao
ano, muito próximo da mínima histórica de 7,25 por cento.
Veja as taxas dos principais contratos de DIs às 16:30:
mês ticker último fechamento variação
(%) anterior (p.p.)
(%)
JAN8 7,018 7,035 -0,017
APR8 6,87 6,875 -0,005
JAN9 7,11 7,13 -0,02
JAN21 9,38 9,33 0,05
JAN23 10,28 10,19 0,09

MetaTrader 300×250

(Edição de Patrícia Duarte)
(([email protected]; 55 11 5644 7723; Reuters
Messaging: [email protected];))


Assuntos desta notícia