Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

SÃO PAULO, 25 Abr (Reuters) – As taxas dos contratos futuros
de juros de longo prazo operavam em alta firme nesta
quarta-feira, influenciados pelo avanço do dólar para o patamar
de 3,50 reais em mais um dia de ganho dos rendimentos dos
Treasuries, diante de temores de aperto de juros mais forte do
que o esperado nos Estados Unidos este ano.
"A continuidade dos temores em relação aos juros
norte-americanos já eleva o custo em diversos setores e pode
atrapalhar o atual crescimento", escreveu o economista-chefe da
gestora Infinity, Jason Vieira, em relatório.
Nos EUA, o rendimento do título de 10 anos voltou a superar
3 por cento pelo segundo dia, uma vez que as preocupações com o
crescente endividamento do governo estimularam nova onda de
vendas no mercado de títulos. Dados fortes de inflação e
atividade econômica no país também alimentavam o movimento.

Com isso, o dólar avançava ante diversas divisas nesta
sessão, inclusive no Brasil. Dólar mais forte pode pressionar a
inflação doméstica, que tem ficado comportada e permitido o
atual ciclo de corte de juros pelo Banco Central.
Internamente, os investidores seguiam de olho no cenário
político, em meio às articulações para as eleições de outubro,
com a fraqueza dos pré-candidatos considerados pelos mercados
mais comprometidos com o ajuste fiscal.
"O pré-candidato Geraldo Alckmin, tido como favorito pelo
mercado por defender a agenda de reformas, mais uma vez mostrou
baixo desempenho", trouxe a Renascença Corretora em relatório ao
citar pesquisa Ibope feita no Estado de São Paulo para a TV
Bandeirantes e divulgada na véspera.
No levantamento, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
aparece em primeiro nas intenções de voto, e Alckmin apenas em
terceiro.
Os investidores também reagiam às eventuais implicações da
decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de retirar dos
processos que estão nas mãos do juiz federal Sérgio Moro trechos
de delações feitas por executivos da Odebrecht que implicam
Lula.
O petista, que está preso, lidera as pesquisas de intenção
de voto, desagrada ao mercado por ser considerado menos
comprometido com o ajuste fiscal.
"A corte suprema faz um papel no mínimo curioso… em
benefício de políticos envolvidos em escândalos, trazendo a
pauta de insegurança jurídica", escreveu a Advanced Corretora em
relatório.
Os DIs mais curtos rondavam a estabilidade nesta sessão, em
meio às expectativas consolidadas de corte da Selic em breve. A
curva a termo precificava cerca de 70 por cento de chances de
redução de 0,25 ponto percentual na taxa no próximo mês, ante
cerca de 75 por cento na véspera, com o restante indicando
manutenção, segundo operadores.
Para a reunião de junho do Comitê de Política Monetária
(Copom) do BC, os DIs mantinham a precificação de cerca de 25
por cento de apostas de outro corte de 0,25 ponto da Selic, com
o restante em manutenção.
Em março, o BC cortou a taxa básica de juros em 0,25 ponto
percentual, para o piso histórico de 6,50 por cento ao ano.
Veja as taxas dos principais contratos de DIs às 11:50:
mês ticker último fechamento variação
(%) anterior (p.p.)
(%)
JUL8 6,265 6,253 0,012
JAN9 6,26 6,23 0,03
JAN0 6,96 6,92 0,04
JAN21 7,98 7,94 0,04
JAN23 9,27 9,21 0,06

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

(Por Claudia Violante; Edição de Patrícia Duarte)
(([email protected]; 55 11 5644 7723; Reuters
Messaging: [email protected];))


Assuntos desta notícia