Clicky

MetaTrader 728×90

Por Claudia Violante
SÃO PAULO, 13 Mar (Reuters) – O dólar reduziu sensivelmente
a queda com que vinha trabalhando desde mais cedo e passou a
operar com leves oscilações ante o real, com fluxo de saída
minimizando pontualmente a percepção de que os juros nos Estados
Unidos não vão subir mais do que o esperado após dados de
inflação comportada.
Às 14:40, o dólar avançava 0,02 por cento, a 3,2585
reais na venda, depois de marcar a máxima de 3,2659 reais na
sessão e 3,2382 reais na mínima. O dólar futuro tinha
queda de 0,15 por cento.
"Com o núcleo (da inflação) ainda confortavelmente abaixo da
meta, o Fed (Federal Reserve, banco central norte-americano) não
tem razões para promover aumento mais agressivo das taxas de
juros do que o que está atualmente precificado", disse o
analista da gestora CIBC, Avery Shenfeld, em nota.
Os preços ao consumidor dos Estados Unidos desaceleraram em
fevereiro em meio à queda nos preços da gasolina e à moderação
no custo dos aluguéis, na mais recente indicação de que uma
aceleração da inflação provavelmente será apenas gradual.
Excluindo os componentes voláteis de energia e alimentos, o
índice ganhou 0,2 por cento depois de acelerar 0,3 por cento em
janeiro. Na base anual, o avanço do chamado núcleo de preços ao
consumidor repetiu a taxa de 1,8 por cento de fevereiro.

Logo após a divulgação dos dados, os juros futuros
norte-americanos precificavam 26 por cento de chances de o Fed
elevar os juros quatro vezes neste ano, sobre 28 por cento antes
dos números, segundo dados da Reuters.
O Fed vem indicando que elevará os juros três vezes neste
ano de forma gradual e, um movimento mais forte do que o
esperado, aumentaria o potencial de atrair para os Estados
Unidos recursos aplicados hoje em outros mercados financeiros,
como o brasileiro.
No exterior, o dólar caía ante a cesta de moedas após
os dados de inflação e a demissão do secretário de Estado dos
Estados Unidos, Rex Tillerson. O dólar também recuava ante
divisas de países emergentes, mas com menor tração, como os
pesos mexicano e chileno .
O Banco Central brasileiro vendeu nesta sessão toda a oferta
de 14 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda
futura de dólares, para rolagem do vencimento de abril. Dessa
forma, já rolou 1,4 bilhão de dólares do total de 9,029 bilhões
de dólares.
Se mantiver esse volume e vendê-lo integralmente, o BC rolará
o valor total dos swaps que vencem no próximo mês.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

(Edição de Patrícia Duarte)
(([email protected]; 55 11 5644 7723; Reuters
Messaging: claudia.violante.reuters.com[email protected];))


Assuntos desta notícia