Clicky

mm bolsa 728

A Bovespa, que seguia em queda nesta quarta-feira, iniciou a tarde valorizada. Os investidores estão ajustando posições e com as atenções voltadas para o cenário político em Brasília. Por outro lado, os preços das commodities também embalam os negócios.

Há pouco, o Ibovespa operava em alta de 0,23% aos 58.156 pontos. O volume financeiro era de R$2,4 bilhões.

300×250 4 reais

Entre as ações em alta estavam as da Qualicorp ON, alta de 3,92%; Santander BR UNT. alta de 2,38%; Cosan ON, alta de 2,38%; e Natura ON, alta de 1,80%.

Na contramão estavam as ações da Siderúrgica Nacional ON, queda de 3,51%; Gerdau PN, queda de 2,37%; Smiles ON, queda de 2,22%; Brasdepar PN, queda de 1,82%; e Cemig ON, queda de 2,00%.

A Petrobras ON estava em queda de 0,33% e a PN, queda de 0,79%. A Vale ON estava em queda de 1,39% e a PN, queda de 1,39%. O IEEX estava em alta de 0,56%.

Cesp e a privatização

Os destaque para os papéis em alta estavam os ada Companhia Energética de São Paulo (CESP). Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite desta terça-feira (23), a Companhia informou que a diretoria do Programa Estadual de Desestatização (CDPED), em reunião realizada também na tarde de ontem decidiu recomendar ao Governo do Estado de São Paulo a retomada dos trabalhos e estudos necessários à privatização da companhia.

O tema volta com força no mercado financeiro, já que a possibilidade do governo paulista em fatiar a Cesp é tema antigo e discutido há mais de dez anos.

A Cesp já foi uma das principais energéticas do País e hoje conta apenas com um ativo, a Usina de Porto Primavera, entre os estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul e capacidade instalada de 1.800 MW.

No ano passado, por considerar medidas do governo federal não compatível com os preços da energia e sem receita, a Cesp vendeu dois de seus ativos para a gigante chinesa, Three Gorges.

Há pouco, as ações da Cesp PNB N1 estavam valorizadas em 10,88% aos R$14,27.

A nota à CVM é assinada pelo diretor de Financeiro e de Relações com Investidores, Almir Fernando Martins.


Assuntos desta notícia