Clicky

MetaTrader 728×90

Os políticos conseguiram um feito nesta quarta-feira: azedar o humor dos investidores dos mercados acionários.

Pela manhã, a maioria partiu para as compras e esperando pelas medidas fiscais “ousadas” do presidente Donald Trump. Mas no meio da tarde as expectativas acabaram.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

O secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steve Mnuchin, anunciou o “plano de reforma fiscal”, que inclui uma “enorme redução”, do atual 35% para 15%, no imposto sobre lucros corporativos e a diminuição das faixas de cobrança que serão aplicadas sobre os trabalhadores.

“Trata-se de um dos maiores cortes de impostos da história”, destacou Mnuchin em uma coletiva de imprensa na Casa Branca, na qual insistiu que, com estas medidas, se pode alcançar “uma taxa de crescimento econômico anual de 3% ou superior”.

O plano revelado hoje aos jornalistas contém apenas uma página, e delineia “princípios básicos” que deverão ser detalhados mais adiante.

As faixas de cobrança para os trabalhadores passariam de sete a três (10%, 25% e 35%), seria eliminado o imposto sobre sucessões e seriam oferecidas deduções para o cuidado de crianças, entre outros elementos.

Além disso, seria aplicado um imposto para a repatriação de lucros das grandes empresas no exterior, a uma “taxa muito competitiva”, mas que Mnuchin evitou detalhar.

O secretário do Tesouro ressaltou que o plano não implicaria em mais dívida federal, por não incluir cortes para equilibrar esta redução na arrecadação via investimentos, já que “se pagaria por si só” graças ao impulso econômico gerado.

O plano fiscal de Trump, que tinha sido anunciado como um dos principais pilares de seu primeiro ano de mandato, ainda precisa ser aprovado pelo Congresso. As informações são da Ag. Efe.

Logo depois do anúncio, as reações foram imediatas com os índices de peso devolvendo em Wall Street.

De acordo com analistas, mesmo sendo um documento de uma página até agora, o plano fiscal poderá trazer estragos terríveis para o planejamento de aposentadorias e para o setor imobiliário.

As duas ligações diretas com a aposentadoria e planejamento imobiliário: o primeiro, a administração tem a intenção de revogar o imposto de propriedade; e a segunda, eliminar a maioria das deduções, o que pode afetar as contas de aposentadoria, como os planos patrocinados pelo empregador.

O plano tributário também inclui alívio para a classe média, como reduzir os sete escalões de impostos para três, e reforma de negócios, como a redução da taxa de imposto de negócios. A decisão sobre aprovação seguirá para discussão na Câmara e o Senado na segunda quinzena de maio, disse o secretário.

No sábado ao completar os 100 dias de governo no sábado (29) encerra o prazo para a aprovação do Orçamento norte-americano.

Na Ásia, os mercados fecharam para cima, ainda sob os recordes de Wall Street.

Na Europa, em dia de agenda fraca, os investidores focaram nos resultados corporativos.

Por aqui, a Câmara Federal ficou com o tema principal da pauta do dia em Brasília, a Reforma Trabalhista. Há pouco, o Plenário rejeitou, por 270 votos a 64, o requerimento de retirada de pauta do projeto de lei da Reforma Trabalhista (PL 6786/16, do Poder Executivo). Os deputados começam agora a discutir a matéria, na forma do substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).

Agora também, o Senado Federal aprovou por unanimidade, em primeiro turno, a PEC 10/2013, que extingue o foro por prerrogativa de função, o foro privilegiado. A PEC ainda passará por três sessões de discussão antes da votação em segundo turno.

Já por 54 votos favoráveis e 19 contrários, os senadores aprovaram, também nesta noite, o texto-base do substitutivo do senador Roberto Requião ao Projeto de Lei 85/2017, que define os crimes de abuso de autoridade. Com o resultado, o projeto segue agora para análise pela Câmara dos Deputados. O texto foi aprovado por unanimidade hoje pela manhã na Comissão de Constituição e Justiça e seguiu para o plenário nesta tarde.

Deixando o cenário político de lado, os mercados reagiram às medidas nos Estados Unidos e as de Brasília.

A B3 ficou volátil, com o índice de referência escorregando. O dólar ensaiou os R$3,20, mas voltou.

Em Wall Street, o sinal amarelo surgiu com as medidas do presidente Trump.

ÁSIA

As bolsas fecharam com ganhos nas sessões de hoje, seguindo o recorde em Wall Street, mais precisamente do Nasdaq acima dos 6 mil.Já a bolsa de Tóquio manteve o ganho em 1%, sem agenda relevante e com os investidores arriscando, ante o desempenho recente de indicadores econômicos, enquanto esperam o resultado da reunião do Banco Central (BoJ). Não há expectativas de mudanças na política atual. O iene perdeu força frente ao dólar.

Ao final da jornada, o Asia Dow ficou em alta de 0,42% aos 3.281. O Hang Seng ficou em alta de 050% aos 24.578. O Xangai ficou em alta de 0,20% aos 3.140. Na Índia, o índice BSE da bolsa de Bombai ficou em alta de 0,63% aos 30.133. O índice Kospi, Coreia do Sul, ficou em alta de 0,50% aos 2.207. O índice FTSE ST, Singapura, ficou em alta de 0,31% aos 3.173. O Nikkei 225 ficou em alta de 1,10% aos 19.289.

No Japão, o índice de atividade industrial ficou em 104.0, para fevereiro, em relação ao mês anterior 0,7%. Para a indústria, em relação ao mês anterior, o índice de produção ficou em 3,2%, subindo pelo terceiro mês 0,2%. A atividade de construção marcou redução de 0,5%.

EUROPA

As bolsas de valores europeias fecharam em território positivo nesta quarta-feira, com os resultados corporativos de gigantes acima das estimativas. A agenda por lá estava vazia.

Ao final da jornada, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,47% aos 388.73, em Londres; o FTSE-MIB (Milão) subiu 0,15% aos 20.836; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,18% aos 10.763; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,05% aos 12.472; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 0,19% aos 5.287; o FTSE-100 (Londres) subiu 0,18% aos 7.288; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,17% aos 5.054.

As ações da fabricante de bens de luxo Kering subiram 9,7%, levando os varejistas ao melhor desempenho entre os grupos Stoxx 600, depois que a receita do primeiro trimestre superou em muito as estimativas dos analistas.

Entre os credores, o Credit Suisse subiu 2,7%, depois de anunciar um plano de financiamento e ganhos mais elevados, enquanto o Standard Chartered Plc avançou 4%, depois de seu lucro trimestral superou as estimativas.

O lado negativo de ações ficou também com a energética Iberdrola, recuando 1,2%, depois que a maior companhia de energia elétrica da Espanha registrou queda nos lucros.

ESTADOS UNIDOS

Os índices de peso de Wall Street experimentaram recordes nos últimos dias, em especial o Nasdaq nesta terça-feira ao atingir os 6 mil, e seguiam para cima nas negociações de hoje. Porém, o mau humor voltou logo depois que o secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steve Mnuchin, anunciou o “plano de reforma fiscal” do presidente Donald Trump.

Ao final, S&P caiu 0,05% aos 2.387; o Dow Jones caiu 0,10% aos 20.975; e o Nasdaq ficou estável aos 6.025.

Os investidores permaneceram fixados na perspectiva de uma reforma tributária que ostensivamente impulsionaria o crescimento econômico e os lucros das empresas.

O relatório que Nafta permanece na mira da Casa Branca, que renova a angústia de que as políticas comerciais protecionistas podem prejudicar o crescimento global. A decisão de acabar com o Obamacare ainda é uma das prioridades do atual presidente.

O rendimento do rendimento do Tesouro de 10 anos caiu para 2,30%, destacando um aumento na licitação para os títulos de dívida pública.

Na ação corporativa, a Verizon Communications Inc. superou as perdas de blue-chips, abaixo de 2,5%.

As ações do Twitter Inc subiram quase 8%, depois da apresentação dos resultados trimestrais melhores do que o esperado.

BRASIL

Depois de um pregão marcado pela forte volatilidade, a B3 fechou em queda nesta quarta-feira. Refletiram as discussões sobre a Reforma Trabalhista e a aprovação da PEC que acaba com o foro privilegiado. O cenário externo também despertou a cautela nos investidores com o plano fiscal cheio de dúvidas do presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Depois de revelado, o plano de uma página, acabou derrubando as commodities.

O Ibovespa ficou em queda de 0,44% aos 64.861 pontos. O volume financeiro ficou em R$7,6 bilhões.

As ações com ganhos
Siderúrgica Nacional ON, alta de 4,20%; WEG ON, alta de 3,83%; Usiminas
ON, alta de 5,43%; Sabesp ON, alta de 1,56%; e Bradesco PN, alta de 1,69%.

As ações com perdas
Cemig PN, queda de 5,02%; Smiles ON, queda de 3,41%; Cosan ON, queda de 3,16%; e BR Malls ON, queda de 2,49%.

A Petrobras ON ficou em queda de 1,77% e a PN, queda de 2,37%.
A Vale ON ficou em queda de 2,19% e a PN, queda de 1,98%.

Carteira Teórica

A carteira teórica do Índice Bovespa que passou a vigorar entre e 02 de janeiro de 2017 a 28 de abril de 2017, com base no fechamento do pregão de 29 de dezembro de 2016, totaliza 59 ativos de 56 empresas e com a entrada da Eletrobras ON (ELET3). Os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Itauunibanco PN (10,681%), Bradesco PN (7,740%), Ambev S/A ON (7,183%), Petrobras PN (6,008%) e Petrobras ON (4,592%).

Pagamento de dividendos: Alupar, Coelce, Klabin, Magazine Luiza, Wiz e Grendene.

Moedas

O dólar comercial fechou em alta nesta quarta-feira, refletindo as indecisões para as votações sobre a Reforma Trabalhista, em Brasília. De outro lado, as expectativas para as medidas fiscais do presidente Donald Trump acabaram frustrando, mas mesmo assim a valorização foi mantida.

Ao final, no interbancário, a moeda ficou cotada aos R$3,171 para a compra e R$3,173 para a venda, alta de 0,68%.

O euro ficou em aos R$3,462 para a compra e R$3,464 para a venda, alta de 0,65%.

A libra ficou em R$4,081 para a compra e R$4,083 para a venda, alta de 1,04%.

O Banco Central do Brasil (BCB) fez mais um leilão de swap cambial com 16 mil contratos.

No cenário externo, o índice Bloomberg Dollar Spot subiu 0,4%, a segunda alta consecutiva, depois do recuo de 0,5% na segunda-feira.

O iene caiu 0,3% para 111,50 por dólar, depois de cair 1,2% na terça-feira.

O euro perdeu 0,3% para US $ 1,0892, após quatro dias consecutivos de ganhos.

O rublo enfraqueceu 1,3%, depois que o presidente Vladimir Putin disse que o governo está procurando “medidas baseadas no mercado” para estabilizar a moeda.

Commodities

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de
0,69% a US$66,07 a tonelada seca e com 62% de pureza.

O futuro do petróleo tipo WTI, com vencimento em junho, é negociado a US$
49,29, queda de 0,54%.


Assuntos desta notícia