Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Os indicadores econômicos apresentados hoje, os resultados corporativos e as correções marcaram os desempenhos dos principais índices acionários na volta do feriado do Dia do Trabalho.

Na Ásia, os mercados flutuaram com os dados apresentados da China. A gigante asiática segue na liderança de bons resultados, embora o PMI oficial da indústria tenha recuando em abril de 51,2 ante 51,8 em março.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Na Europa, os ganhos ficaram com balanços, indicadores e euforia para a eleição na França no próximo domingo (07).

Nos Estados Unidos, os resultados das grandes empresas devem seguir pesando no humor dos investidores no resto da semana. Hoje, minutos antes do fechamento em Wall Street, a Apple apresentou os números do primeiro trimestre. As quedas nas vendas de iPhone incomodaram, mas o lucro líquido ficou dentro das estimativas.

Por aqui, o resultado da balança comercial, relatório Focus, PMI e inflação recuando também animaram o mercado financeiro. A discussão sobre a Reforma da Previdência (PEC 287/16) deve ser a última do relatório do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA).

Em entrevista antes do início da reunião, o presidente do colegiado, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), descartou novo adiamento da votação do relatório. “Não vejo necessidade disso”. Ele afirmou que as discussões serão encerradas hoje, conforme o combinado com os membros, e acredita que a votação poderá ser encerrada amanhã.

Questionado sobre a possibilidade de mudanças no relatório, Marun disse que não sabe se isso vai acontecer, pois as alterações dependem do relator, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), mas afirmou: “Nós vamos ganhar de qualquer jeito.”

Essa garantia dá ao governo motivos de sobra para comemorar, principalmente, depois da greve geral de sexta-feira (28) não conseguindo atingir o número esperado.

A B3 reagiu, com o Ibovespa buscando os 67 mil pontos, em semana mais curta e com a Reforma da Previdência na reta final. O dólar caiu com o Boletim Focus.

ÁSIA

As bolsas de valores da Ásia fecharam com ganhos, embaladas pelos índices da Coreia do Sul. O índice MSCI Asia Pacific fechou para cima no nível mais alto desde 2015. A bolsa de Tóquio foi beneficiada pela fraqueza do iene, impulsionando as ações de exportadoras.

Ao final, em Hong Kong, o índice MSCI Asia Pacific subia 0,04% aos 150.02. O Asia Dow ficou em alta de 0,49% aos 3.295. O Hang Seng ficou em alta de 0,33% aos 24.696. O Xangai ficou em queda de 0,35% aos 3.143. Na Índia, o índice BSE da bolsa de Bombai ficou estável 29.921. O índice Kospi, Coreia do Sul, ficou em alta de 0,65% aos 2.219. O índice FTSE ST, Singapura, ficou em alta de 1,12% aos 3.211. O Nikkei 225 ficou em alta de 0,70% aos 19.196.

Entre as empresas que ficaram para cima estava a Yamaha Corp. com resultado superior ao esperado e com alta de 17%, depois da previsão de lucro operacional record.

Em Hong Kong, a varejista de calçados Belle International Holdings Ltd. fechou em alta de 15%, depois da oferta de compra de US $ 6,8 bilhões.

O iene enfraqueceu contra o dólar pela quarta sessão consecutiva e o japonês Topix subiu 0,7%.

O Índice Kospi da Coréia do Sul, que recuou depois de ter atingido seu recorde em maio de 2011, subiu 9,5% este ano, com os estrangeiros arrecadando US $ 5,8 bilhões em ações.

EUROPA

As bolsas de valores da Europa mantiveram os ganhos nesta terça-feira, com os resultados corporativos, em especial a petrolífera britânica BP, que bateu a previsão dos analistas. Os dados da economia europeia também mostraram resultados positivos, com destaque para a atividade industrial ganhando impulso. Além disso, todas as atenções se voltam essa semana para a reta final das campanhas para presidência na França. No próximo domingo (07), os eleitores voltam às urnas para escolher o novo presidente francês.

Ao final da jornada, índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,75% aos 389.53, em Londres; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta de 0,60% aos 20.733; o Ibex 35 (Madri) subiu 0,98% aos 10.820; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta de 0,56% aos 12.507; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 0,70% aos 5.304; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 0,64% aos 7.250; e o PSI-20 (Lisboa) subiu 1,68% aos 5.118.

As ações da BP subiram 1,6%, depois que suas estimativas de lucro do primeiro trimestre surpreenderam, ajudadas por preços de óleo mais altos e cortes de custo.

Ainda nas negociações de hoje as ações das empresas imobiliárias e de tecnologia também ampararam os índices, pesando os recuos nas empresas de mineração com a commoditie recuando em preços nas negociações na Austrália e China.

ESTADOS UNIDOS

Os índices de peso em Wall Street reverteram o movimento da manhã e fecharam no azul, em dia de agenda fraca e com as expectativas para os resultados financeiros de gigantes, como a Apple. Dow Jones caminha para novo recorde aos 21 mil.

Ao final, o S&P ficou em alta de 0,12% aos 2.391; o Dow Jones subiu 0,17% aos 20.949; e o Nasdaq ficou em alta de 0,06% aos 6.095.

As ações da Apple caíram mais de 1% no comércio pós-horário na terça-feira, depois do resultado trimestral mostrando declínio nas vendas unitárias para o iPhone. A companhia informou lucro líquido de US $ 11 bilhões, ou US $ 2,10 por ação, em comparação com US $ 10,5 bilhões, ou US $ 2,02 por ação, no mesmo período do ano anterior.

A receita para o período aumentou para US $ 52,9 bilhões de US $ 50,5 bilhões no ano passado, praticamente em linha com a visão de consenso de US $ 53 bilhões.

As vendas de unidades do iPhone chegaram a 50,8 milhões, um pouco abaixo dos 51 milhões do ano passado. A receita de serviços, o segundo maior fator de receita da empresa, também ficou aquém das expectativas, subindo para US $ 7,04 bilhões, em comparação com US $ 6 bilhões no ano passado, que estava ligeiramente abaixo dos US $ 7. 06 bilhões de analistas estavam antecipando.

Ainda hoje, o rendimento dos Treasuries de 10 anos caiu um ponto base para 2,31%, revertendo um aumento de dois pontos base.

As ações da Ford e GM ficaram para baixo, sem as estimativas de vendas de abril.

A grande expectativa no S&P ficou para a divulgação dos resultados da Apple, logo depois do fechamento dos mercados. Ainda essa semana vão apresentar os resultados a BNP Paribas SA, a Facebook Inc., a HSBC Holdings Plc, a Time Warner Inc., a Pfizer Inc., a Merck & Co., a BMW AG, a Royal Dutch Shell Plc e a Volkswagen AG.

BRASIL

O bom humor prevaleceu nas operações da B3 nesta terça-feira no retorno do feriado de 01 de Maio. Os investidores aproveitaram para corrigir as ADRs, com vários feriados. De outro lado, as apostas de que as propostas da Reforma da Previdência serão aprovadas, em linha com o objetivo do governo, também ajudaram as negociações de hoje.

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 2,02% aos 66.721 pontos. O volume financeiro ficou em R$ 9,1 bilhões.

“Pela manhã foi um correção da ADRs, depois dos feriados. Já nas operações da tarde, acredito que o fluxo de compra se deu com estrangeiros. O volume ficou bem acima da média”, disse o operador da Renascença, Luiz Roberto Monteiro.

As ações com ganhos

JBS ON, alta de 7,94%; Lojas Americanas PN, alta de 6,47%; Rumo SA ON, alta de 6,19%; BRF ON, alta de 5,05%; e Cemig PN, alta de 4,62%.

As ações com perdas
Embraer ON, queda de 3,91%; Eletrobras ON, queda de 0,39%; BBSeguridade ON, queda de 0,20%; e MRV ON, queda de 0,06%.

A Petrobras ON ficou em queda de 0,28% e a PN, em alta de 0,07%.

A Vale ON ficou em alta de 1,27% e a PN, em alta de 1,98%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica que passa a vigorar de 02 de maio a 01 de setembro, terceira prévia e com base no fechamento de 27 de abril de 2017 no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (11,517%), Bradesco PN (8,360%), Ambev S/A ON (7,299%), Petrobras PN (5,301%) e Vale PNA (4,662%). A prévia do Ibovespa registrou a entrada de Eletrobras PNB (ELET6), totalizando 59 ativos de 55 empresas.

Moedas

O dólar comercial fechou em queda nesta terça-feira, refletindo o cenário doméstico e as expectativas para a Reforma da Previdência.

Ao final, no interbancário, a moeda ficou cotada aos R$3,151 para a compra e R$3,153 para a venda, queda de 0,62%.

O euro ficou em R$3,442 para a compra e R$3,445 para a venda, queda de 0,52%.

A libra ficou em R$4,075 para a compra e R$4,079 para a venda, queda de 0,36%.

O comportamento da moeda, segundo analistas, se dá com a projeção da inflação abaixo do centro da meta pelo Boletim Focus elaborado pelo Banco Central do Brasil (BCB) e divulgado todas as segunda-feiras. A instituição tem meta ainda no limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a estimativa foi reduzida de 4,32% para 4,30%, no quarto ajuste seguido.

No cenário externo, o índice Bloomberg Dollar Spot Index subiu 0,1%.

O iene caiu 0,4% para 112,13 por dólar, o menor desde 21 de março, depois de uma queda de 0,3% nesta segunda-feira.

Já o euro fechou pouco alterado, US$1,0896.

A libra ficou em alta de 0,2%.

Commodities

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de 0,12% a US$68,72 a tonelada seca e com 62% de pureza.

No mercado de petróleo, o contrato futuro para entrega em junho do produto tipo WTI é negociado a US$ 47,58 o barril, queda de 2,58%.


Assuntos desta notícia