Clicky

MetaTrader 728×90

Por Ana Mano e Anthony Boadle
CAMPO NOVO DO PARECIS, 17 Mai (Reuters) – O pré-candidato do
PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, que se compara
ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está atraindo
apoio ao redor das áreas agrícolas do Brasil, onde o capitão da
reserva do Exército pode garantir o financiamento necessário
para sua tentativa de liderar o maior país da América Latina.
A liderança precoce de Bolsonaro em pesquisas nacionais de
opinião para a corrida presidencial de outubro, quando o
ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não aparece na disputa,
tem sido menosprezada por muitos especialistas porque ele não
tem a forte base partidária que é tradicionalmente necessária
para vencer eleições no país de 209 milhões de habitantes.
No entanto, a postura dura de Bolsonaro, de 63 anos, em
relação à criminalidade e seus planos para afrouxar o controle
de armas, somado à sua oposição à proteção ambiental e às
reivindicações de reservas de terra para comunidades
originárias, está encontrando ressonância em ricos proprietários
de terras nas áreas rurais do Brasil.
Adesivos de carros que dizem "Bolsonaro Salve o Brasil" e
"Somos todos Bolsonaro" são uma visão comum em caminhonetes em
Campo Novo do Parecis, uma cidade no Mato Grosso, a potência
agrícola do Brasil.
Com a prisão de Lula por corrupção, Bolsonaro, um deputado
que acumula sete mandatos, lidera um campo fragmentado a cinco
meses da eleição.
Uma pesquisa divulgada nesta semana mostra ele à frente da
ambientalista Marina Silva em cenários onde Lula não aparece.

Nos Estados agrícolas da Região Centro-Oeste, que puxam a
oitava maior economia do mundo, a liderança de Bolsonaro cresce
para amplos 10 pontos percentuais, segundo o Datafolha.
Embora esses Estados sejam menos populosos do que as regiões
litorâneas, eles abrigam poderosos proprietários de terras
abastecidos de dinheiro das recentes safras recordes, cujas
doações políticas podem ser essenciais para construir uma
campanha nacional para Bolsonaro.
Alto e magro, com cabelos penteados para um lado e um olhar
fitante, a principal vantagem de Bolsonaro aos olhos de muitos
eleitores é uma ficha limpa de corrupção, num momento em que boa
parte da classe política foi atingida por escândalos de
corrupção. Com isso, eles estão preparados para olhar além de
seus comentários mais incendiários.
Apesar de sua popularidade, Bolsonaro conta apenas com o
apoio do PSL, um partido pequeno. Sob as leis eleitorais do
Brasil, isso dá a ele apenas 10 segundos de tempo de televisão
quando a campanha começar, uma séria deficiência em um país onde
propagandas televisivas têm historicamente grande impacto.
Pesquisas sugerem que até 45 por cento dos eleitores
continuam indecisos.
Aliados de Bolsonaro dizem que seu alcance nas redes sociais
compensará o pouco tempo na TV, citando um número de seguidores
no Facebook que é mais do que o dobro do que tem Marina.
Manifestando revolta contra partidos do establishment,
Bolsonaro comparou sua candidatura à campanha de Trump em 2016,
agitando alguns eleitores com discursos furiosos, enquanto
alarma outros.
A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou Bolsonaro
no mês passado por incitar discriminação contra mulheres,
negros, indígenas e gays.
Ele também enfrenta um processo no Supremo Tribunal Federal
(STF) por incitar estupro em um ataque verbal contra a deputada
Maria do Rosário (PT-RS) em 2014, a quem ele chamou de feia e
disse que "não estupraria porque ela não merece".
"Atacaram Trump com os mesmos temas com que eu sou atacado
no Brasil: de fascista, homofóbico, racista, nazista. Mas Trump
fez um programa de governo dele em que a população acreditou",
disse Bolsonaro em uma entrevista à Reuters em setembro.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

A Reuters não conseguiu contato com Bolsonaro para um
comentário sobre esta matéria.

CRIME EM PAÍS AGRÍCOLA
A retórica linha-dura de Bolsonaro sobre o crime também
inspirou organizações de base na Região Centro-Oeste, onde
fazendas prósperas são ameaçadas por invasões de terra e
crescentes roubos.
"Se nós pudéssemos ter fuzis como nos EUA, isso dissuadiria
o crime", disse o produtor Flavio Giacomet.
Uma recente pesquisa da Confederação da Agricultura e
Pecuária do Brasil (CNA) mostrou um aumento no roubo armado em
fazendas, com quadrilhas organizadas roubando máquinas e
pesticidas e fertilizantes caros.
Em partes rurais do Mato Grosso, os roubos cresceram 60 por
cento e assassinatos cresceram 44 por cento nos últimos cinco
anos, segundo dados do governo do Estado.
As críticas de Bolsonaro a regras de licenciamento ambiental
e interferência do Estado na economia também "são música para o
ouvido dos produtores", disse o ex-presidente da Aprosoja, grupo
de produtores de grãos do Estado do Mato Grosso.
Comentários sobre a China "tomando controle" do Brasil
parecem não ter prejudicado seu apoio entre produtores, embora a
gigante asiática seja de longe o maior comprador de grãos
brasileiros.
Bolsonaro disse à Reuters no ano passado que sua prioridade
na política exterior, caso eleito, seria de estreitar laços com
o governo Trump e buscar restaurar os Estados Unidos como
principal parceiro comercial do Brasil, posição que perdeu para
a China em 2009.
"Não vejo o discurso do Bolsonaro como anti-China. Tem mais
a ver com regular os investimentos dos chineses no Brasil",
disse Antonio Galvan, vice-presidente da Aprosoja. "Não acho que
no discurso ele se refere ao Brasil deixar de vender produtos
para a China. Isto não teria sentido."
Desde que o Brasil proibiu doações corporativas a campanhas
políticas, candidatos têm recorrido a ricos produtores para
financiamento e a candidatura de Bolsonaro dependerá de doações
agrícolas.
Giacomet e outros produtores disseram à Reuters que eles
doariam dinheiro para a campanha de Bolsonaro, mas só se ele
emergir como um concorrente viável com uma coalizão de partidos
por atrás.

BALA, BOI E BÍBLIA
Bolsonaro prometeu acabar com a expansão de reservas
indígenas no momento em que comunidades nativas reivindicam mais
direitos por terra frente ao avanço sólido da fronteira agrícola
do Brasil no que uma vez foi a floresta Amazônica.
Ele apoia mudar as leis para permitir agricultura comercial
e mineração nas reservas, apoiando leis que poderiam limpar um
Congresso cada vez mais conservador.
(Reportagem adicional de Ricardo Brito em Brasília e Marcelo
Teixeira em Ribeirão Preto)
(Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765))
REUTERS LM ES


Assuntos desta notícia

Join the Conversation